Subir

Já é possível extrair água do ar sem gastar energia

Investigadores criaram, nos Estados Unidos, um dispositivo alimentado a energia solar que extrai água do ar, com níveis de humidade baixa, na ordem dos 20%, revela um estudo publicado esta semana na revista Science.

Atualmente, consegue-se extrair água em condições de elevada humidade no ar, e com métodos mais caros, como por exemplo com desumidificadores, equipamentos que funcionam com energia elétrica.

O novo dispositivo, que pode ser promissor para obter água onde ela falta, sem custos energéticos, foi construído com um material especial, uma estrutura metálico-orgânica, e permitiu recolher 2,8 litros de água em 12 horas, em condições de 20% a 30% de humidade no ar, usando um quilo desse material.

O aparelho foi testado nos telhados do Massachusetts Institute of Technology (MIT), instituição que construiu o dispositivo a partir da estrutura metálico-orgânica desenvolvida por uma equipa da Universidade da Califórnia, que, em comunicado, relatou os resultados do trabalho realizado.

Em 2014, investigadores da mesma universidade, chefiados pelo químico Omar Yaghi, sintetizaram uma estrutura metálico-orgânica, uma combinação de zircónio e ácido adípico, que absorve vapor de água.

A equipa sugeriu a uma outra, liderada pelo engenheiro mecânico Evelyn Wang, do MIT, que trabalhassem em conjunto na transformação da estrutura metal-orgânica num sistema coletor de água.

O sistema que Wang projetou consistiu em mais de dois quilos de cristais de estrutura metálico-orgânica, do tamanho de grãos de poeira, comprimidos entre um absorvente de energia solar e uma placa de condensador, colocada no interior de uma câmara aberta para o exterior.

À medida que o ar se dispersa através da estrutura metal-orgânica porosa, as moléculas de vapor de água ligam-se preferencialmente às superfícies interiores.

A luz solar, ao aquecer a estrutura metálico-orgânica, conduz o vapor de água absorvido por esta para um condensador que está à temperatura exterior. O vapor é condensado como água líquida e goteja num coletor.

Os investigadores acreditam que o dispositivo pode ser ajustado, com outros materiais, para ser mais eficiente com níveis de humidade mais baixos ou mais altos.

Lusa