A arquiteta Zaha Hadid morreu

Ela foi a primeira mulher a receber o prémio Pritzker, em 2004, e depois dela só mais uma mulher figura na lista de laureados do prémio mais importante da arquitetura mundial e mesmo assim a par. Zaha Hadid foi também a única a receber a solo a Medalha de Ouro da arquitetura britância. Não foi uma mulher convencional, nunca se deixou limitar e muito menos foi uma arquiteta convencional. Marcou a paisagem do mundo, literamente, com os seus edifícios de pontas aguçadas e ângulos impossíveis em que juntou o reto e o curvo. Experimentou técnicas e materiais inovadores na arquitetura de interiores.

Zaha Hadid morreu hoje, de acordo com o jornal El País, em Miami, aos 65 anos. Depois de uma vida cheia de viagens, projetos concretizados e prémios emblemáticos. Nascida no Iraque, tornou-se cidadã britânica e vivia atualmente nos EUA. O britânico The Guardian avança que a arquiteta morreu devido a um ataque cardíaco num hospital onde estava internada para receber tratamento a uma bronquite.

A arquiteta já não vai ver erigido o Estádio Olímpico de Tóquio, para os Jogos de 2020, cuja maquete foi apresentada em julho do ano passado. De pé, e mudando para sempre a paisagem cidades estão edifícios com o MAXIII de Roma, o Pavilhão Ponte da Exposição Internacional de Zaragoza 2008 ou o Estádio Olímpico Aquático de Roma.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

Termina hoje o prazo para reclamar despesas de IRS…