Subir

A primeira “it girl” de Oprah quer dar poder às mulheres

Oprah Winfrey com algumas das 152 primeiras alunas da sua Academia

Em 2007, Mpumi Nobiva era apenas uma das 72 meninas que iam ter acesso à educação graças à escola fundada na África do Sul pela apresentadora norte-americana Oprah Winfrey – a Academia de Liderança para Raparigas de Oprah Winfrey. Quase uma década depois, Nobiva partilhou no Twitter o diploma de fim de curso, com nota máxima em Estudos Multidisciplinares.

“Partilha a tua história, inspira a coragem” é o lema de vida da jovem, cuja mãe morreu quando Mpumi tinha apenas nove anos e a figura do pai nunca esteve presente. Criada pela avó, empregada de limpeza, e pelo avô, mecânico, “a vida nunca foi fácil”: “Tive de me tornar mais responsável por mim própria, mas sempre senti que era amada.”

A sua história é de superação e Nobiva, hoje figura permanente em várias palestras motivacionais, tanto no estado na Carolina do Norte, onde vive, como na sua terra natal, quer inspirar as mulheres de todo o mundo. “Elas são capazes. Elas valem a pena. A minha história é a prova de que uma rapariga consegue transformar a sua vida através da educação e do envolvimento na sua comunidade”, garante.

Com parte da sua formação concluída, Nobiva quer concentrar-se agora num mestrado em Comunicação Estratégica: “Quero aprender este poder que tenho dentro de mim para servir as nossas mulheres africanas.”

No ano passado, a ativista viveu seis meses na Cidade do Cabo, num programa da Universidade da Carolina do Norte com a Universidade da cidade sul-africana. Na sua estadia pelo país onde nascera, Nobiva tornou-se embaixadora da causa solidária Relate Bracelets, uma Organização sem Fundos Lucrativos que ajuda os mais carenciados.

A jovem estudante confessou que um dos seus sonhos é poder discursar na Organização das Nações Unidas e na União Africana.

Luís Alves Vicente