Alimentos para afastar gripes e constipações

Alimentos que ajudam a afastar gripes e constipações (Foto: Shutterstock)

Nariz a pingar, dor de cabeça, mau estar. Os sintomas são familiares e presença assídua quando o tempo arrefece, sinal da chegada de uma qualquer constipação ou, mais forte que esta, de uma gripe. Mas e se disséssemos que estas podem ser evitados com um remédio simples? E não, não falamos de um qualquer medicamento que deve ir a correr comprar. É bem mais simples e a resposta está na… alimentação.

Isto porque, explica a nutricionista Delphine Dias, “a alimentação e a nutrição têm um papel importante na resposta corporal às mudanças climáticas e podem auxiliar-nos a fortalecer o sistema imunitário, deixando-nos mais preparados para evitar as gripes e constipações”.

Segundo a especialista, da Associação Portuguesa de Nutricionistas, “vitamina A, vitamina C, vitamina E, zinco e selénio parecem potenciar o sistema imunitário e proteger as nossas células contra agressões externas”. A estes juntam-se os ácidos gordos ómega 3, “essenciais para a saúde cardiovascular”, a vitamina D, “absorvida pelo nosso sistema através da exposição solar” e a vitamina B6, assim como os probióticos, “existentes essencialmente nos iogurtes e leites fermentados, que são bactérias benéficas”.

O que significa que, para afastar as constipações e gripes, há alimentos que não devem faltar à mesa. São eles os hortícolas de cor verde escura (couve-galega, couve de bruxelas, brócolos, espinafres), de cor alaranjada (cenoura, abóbora, beterraba) e fruta variada (laranja, toranja, limão, tangerina). As oleaginosas (nozes, avelãs, amêndoas) são também aliadas importantes, mas na lista também não deve faltar o peixe gordo (sardinha, salmão, cavala, atum, arenque), leguminosas (feijão, grão de bico, lentilhas), cereais e seus derivados integrais (pão escuro, arroz e massa integral), produtos lácteos (iogurtes e leites fermentados) e a água. É que, explica a nutricionista, “a hidratação no inverno é tão importante como no resto do ano. E apesar da sensação de sede diminuir, isso não significa que não seja necessário ingerir água de igual forma”.

Adoçar a saúde
A laranja é um clássico quando se trata da prevenção. E não, os seus benefícios não são um mito. Devemos, salienta Delphine Dias, tê-la à mesa, sobretudo por ser “uma fruta cítrica rica em vitamina C. Esta vitamina C, uma vitamina antioxidante, além de proteger as células do organismo contra agressões externas, está envolvida no fortalecimento do sistema imunitário”.

Mas há outros, como o mel. Este, refere a especialista, “é constituído essencialmente por hidratos de carbono, nomeadamente por açúcares simples, como a glicose e a frutose, e por água”. E tem sido usado, desde há muito, para tratar infeções das vias aéreas superiores e tosse, sendo “considerado seguro para crianças com mais de um ano de idade, dada a possibilidade de contaminação pela bactéria Clostridium Botulinum, causadora de Botulismo”. É reconhecido pelas suas propriedades antimicrobianas e o seu efeito antioxidante tem sido investigado, pelo que deve ser consumido. Mas com conta, peso e medida. É que o seu “elevado valor calórico (100g correspondem a 309kcal)” torna-o um risco para a linha.

Suplementos: sim ou não?
O mercado está repleto de suplementos que apregoam a sua capacidade para prevenir um pouco de tudo. Mas Delphine Dias considera que estes apenas devem ser tomados “se existir carência nutricional e se o profissional de saúde aconselhar a sua utilização”. É que, reforça, “de uma forma geral, e falando da maioria da população saudável, é possível através da alimentação termos acesso a todos os nutrientes que necessitamos para esta fase do ano”.

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

O segredo da boa forma: equilíbrio energético