Ama de Maddie fala pela primeira vez

Maddie McCann

Uma das mulheres que tomou conta de Madeleine McCann e dos seus irmãos enquanto a família britânica estava a passar férias no resort Ocean Club, na Praia da Luz, no Algarve, falou pela primeira vez sobre o desaparecimento da menina, praticamente 10 anos depois, numa entrevista ao tablóide The Daily Mirror.

Não revelou a identidade, idade nem a nacionalidade e quis deixar bem claro que, apesar de ter chegado a tomar conta das crianças da família McCann, não era a profissional destacada para supervisionar Maddie, na altura com 4 anos, e os gémeos Amelie e Sean, de dois, uma função que pertencia a Catriona Baker. Ainda assim, estava no resort na noite em que a menina desapareceu, a 3 de maio de 2007, e conta agora mais pormenores.

“Um pai veio ter comigo, disse-me que se passava alguma coisa, que alguém andava à procura de uma criança, não me ocorreu logo que pudesse ser a Maddie. (…) Uns minutos depois, encontrei a Kate, que estava a chorar, com amigos a confortá-la. O Gerry andava a espreitar por baixo dos carros, foi aí que percebi”, revelou uma das 16 amas contratadas pela Mark Warner, empresa britânica que detinha o Ocean Club, ao jornal The Daily Mirror.


Os artigos mais lidos:
Será que tem diabetes e nem sequer desconfia?
David Antunes recria fotos de infância e diverte milhares na net
Os doces de Páscoa que correram mal e foram parar às redes sociais


A ama deixa também claro que não se sentia segura a trabalhar no resort algarvio e que tinha constantemente a sensação de que os locais não os queriam ali.

“Sempre me fez impressão o quão diferente aquele resort era dos outros empreendimentos da Mark Warner. Disseram-nos ‘aqui têm apitos de violação, não vão a parte alguma sozinhas, nunca’. Uma rapariga tinha sido atacada um ano antes na Praia da Luz”, afirmou a antiga funcionária da Mark Warner.

Nesta entrevista ao jornal britânico, a ama critica também a atuação da polícia portuguesa, acusando as autoridades nacionais de terem demorado demasiado tempo a chegar ao Ocean Club e de não serem rigorosos nos interrogatórios.

“A polícia demorou uma eternidade a chegar, talvez uma hora e meia, por isso é que nós é que andávamos à procura dela. Não entrei naquele apartamento, mas de resto quase todos entraram. Claro que as provas se foram, não restou nada. Não havia lá ninguém para dizer ‘temos de selar isto'”, recordou a mulher.

Além disto, a ama defende também Kate e Gerry McCann e deixa bem claro que acredita que nada tiveram a ver com o desaparecimento de Maddie.

“Perguntam-me constantemente se foram os pais. Digo-lhes que não, que isso está completamente fora de questão: a) por causa dos timings; e b) por causa das reações deles, do sítio onde aconteceu, por tudo. Não há a mínima hipótese”, acrescentou a ama.

Madeleine Beth McCann desapareceu do apartamento onde dormia, com os dois irmãos gémeos, na noite de 3 de maio de 2007, na Praia da Luz, no Algarve. Na altura tinha três anos e foi deixada sozinha pelos pais no apartamento do aldeamento turístico onde estavam de férias.

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

Empresas poderão ser excluídas de contratos púb…