Subir

Autárquicas: PSD confirma Teresa Leal Coelho para Lisboa

teresa-leal-coelho-2

A distrital do PSD de Lisboa aprovou este sábado de forma “expressiva” a candidatura de Teresa Leal Coelho à presidência da Câmara de Lisboa, anunciou o líder distrital, Miguel Pinto Luz.

Após uma reunião da estrutura distrital, Miguel Pinto Luz, ladeado pelo presidente da concelhia de Lisboa, Mauro Xavier, anunciou aos jornalistas que a candidatura à Câmara da capital da vice-presidente do PSD Teresa Leal Coelho recebeu 23 votos a favor, dois brancos e um contra.

“É uma votação mais do que expressiva”, declarou, sublinhando que “todos os presidentes de secção do distrito de Lisboa” têm assento na distrital.


Os artigos mais lidos:
Selena Gomez: “Espero que as pessoas me esqueçam”
Vídeo de Cifrão emociona milhares na Internet
Vídeo que mostra violações entre casais dá que falar


Miguel Pinto Luz recusou que Teresa Leal Coelho tenha sido “um último recurso” dos sociais-democratas para a Câmara de Lisboa, sublinhando que, com esta decisão, o “PSD cumpre com os prazos estabelecidos”, de apresentar um candidato no mês de março, e fá-lo “com um projeto ganhador”.

“Vi uma feira de nomes. O nome da doutora Teresa Leal Coelho é o nome oficial do PSD”, disse.

O presidente da concelhia, Mauro Xavier, que mostrou desagrado pelo processo de escolha da candidatura, deu esse capítulo como encerrado.

“Nunca falei nem da candidata, nem da candidatura. Falei apenas do processo como ocorreu. Acho que hoje estamos muito bem equipados para combater o desgoverno socialista da Câmara Municipal de Lisboa. Este é o tempo de discutir as políticas e as ideias”, declarou.

“O que tinha a dizer sobre o processo já disse, é um assunto encerrado com esta aprovação. Mostrei o meu desagrado e esse não mudou, no momento em que foi indicado o nome e eu soube pela comunicação social. Terminou hoje essa altura, hoje entramos na fase da pré-campanha e nessa fase o que faz sentido é discutir ideias”, concluiu.

Miguel Pinto Luz quis ainda esclarecer, depois de questionado pelos jornalistas, que Teresa Leal Coelho não faltou a reuniões de Câmara, mas “fez-se substituir” e “não foi de férias, não foi passear para as Caraíbas”, mas para presidir à comissão de Orçamento e Finanças.

“A doutora Teresa Leal Coelho preside a uma das comissões mais importantes no parlamento [a comissão de Finanças]”, declarou.

Sobre a candidatura da líder do CDS-PP, Assunção Cristas, o líder da distrital não quis tecer comentários, afirmando repetidamente que o adversário do PSD é Fernando Medina e remetendo para depois das eleições um eventual entendimento entre centristas e sociais-democratas.

Quanto a entendimentos pré-eleitorais, Miguel Pinto Luz considerou que essa possibilidade está encerrada.

Quem é Teresa Leal Coelho?

Teresa de Andrade Leal Coelho, que completa 56 anos a 29 de março, nasceu em Moçambique e é licenciada em Direito pela Universidade Lusíada de Lisboa, onde leciona e pela qual tem o curso completo para doutoramento na área de jurídico-políticas.

Foi pela primeira vez deputada à Assembleia da República na XII Legislatura (entre 2011/2015), eleita pelo círculo eleitoral do Porto, numa lista onde foi número dois, atrás do ex-ministro da Defesa José Pedro Aguiar-Branco.

Em 2015, foi cabeça de lista por Santarém e desempenha atualmente funções de deputada e presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

Foi vice-presidente do grupo parlamentar do PSD, entre julho de 2011 e janeiro de 2014, cargo que abandonou em janeiro de 2014 por se opor à disciplina de voto imposta na votação de um referendo à adoção e coadoção por casais do mesmo sexo proposto pelo PSD (que foi aprovado mas acabaria por ser chumbado pelo Tribunal Constitucional).

No parlamento, tem estado sempre na ala mais liberal do partido em matéria de costumes, votando a favor de projetos de outras bancadas sobre adoção por casais do mesmo sexo, maternidade de substituição e procriação medicamente assistida.

No partido, é vice-presidente da Comissão Política Nacional desde 2012, tendo estado sempre nas direções de Pedro Passos Coelho, de quem é próxima e com quem fundou o grupo de reflexão “Pensar Portugal”.

Em Lisboa, integrou em 2007 a lista de Fernando Negrão, que se candidatou como independente pelo PSD, e é vereadora na Câmara Municipal de Lisboa desde 2013, depois de ter sido número dois da lista PSD/CDS/MPT encabeçada por Fernando Seara.

Integrou em 2000 como administradora a SAD de João Vale e Azevedo no Sport Lisboa e Benfica, tendo sido responsável pela organização de jogos, a comunicação, as relações públicas e a cultura, foi investigadora do Instituto da Defesa Nacional (IDN) e é vice-presidente da direção da Associação dos Antigos Alunos das Universidades Livre e Lusíada.

Lusa