Carminho no Festival Internacional de Música de Macau

Carminho

2Carminho, que este ano lançou o álbum “Canto”, vai atuar na Fortaleza do Monte, património da UNESCO, a 15 de outubro, anunciou esta quinta-feira o Instituto Cultural de Macau.

A fadista, que em 2013 foi premiada nos Globos de Ouro como “melhor intérprete individual” e com o prémio Carlos Paredes, será acompanhada em Macau por Luís Guerreiro na guitarra portuguesa, Flávio Cardoso na viola, Marino de Freitas no baixo, Ivo Costa na bateria e Rúben Alves no teclado.


Leia também o artigo: Marisa Monte e Carminho: “Fazemos uns saraus de música, estamos juntas, cantamos, rimos”


Festival conta com 20 espetáculos
O XXX FIMM inclui 20 espetáculos, num total de 27 atuações. Além de Portugal, chegam a Macau artistas e grupos da Rússia, Estados Unidos da América, Alemanha, França, Reino Unido, Mongólia, interior da China, Hong Kong e Taiwan e são apresentadas produções locais.

O festival, dedicado ao tema “Gloriosos 30 – As sino-rapsódias”, abre com uma produção própria, com a ópera em três atos de Giacomo Puccini, sobre o romance entre a princesa chinesa Turandot e Calaf, príncipe da Tartária.

Para assinalar os 400 anos da morte do dramaturgo Tang Xianzu, o festival produziu a primeira obra de câmara original de Macau intitulada “Sonho de um Aroma”, adaptada a partir da viagem de Tang à cidade em 1591.

Destaque também para o concerto de encerramento, “Chaplin Outra Vez”, em que o compositor norte-americano Timothy Brock vai dirigir a Orquestra de Macau “no acompanhamento ao vivo dos filmes do génio humorístico do cinema mudo”, num espetáculo num parque da cidade.

No programa também há jazz e cinema. Paralelamente aos concertos, estão programadas atividades que incluem ‘master classes’, uma delas orientada no Conservatório de Macau pelo pianista Adriano Jordão.

Outro destaque deste ano é a realização de um fórum de dois dias, a 30 de setembro e 01 de outubro, em que especialistas e programadores de festivais de todo o mundo vão partilhar experiências sobre a organização destes eventos.

Na apresentação à imprensa, o presidente do Instituto Cultural de Macau, Ung Vai Meng, disse que o FIMM “é um dos festivais mais antigos da Ásia” e que tem contribuído para elevar o nível cultural da cidade.

“É muito importante para a imagem de Macau”, disse, salientando a importância da cultura numa cidade “muito rica”.

O FIMM tem um orçamento de 38 milhões de patacas (4,2 milhões de euros).

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

Quando Indira era sinónimo de Índia