Subir

DGS pede vacinação contra sarampo

sarampo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) alertou esta segunda-feira para a necessidade de os pais vacinarem os filhos “sem hesitação” e revelou que desde janeiro foram notificados 23 casos de sarampo em Portugal.

Segundo a DGS, dos 23 casos notificados, 11 foram confirmados pelo Instituto Ricardo Jorge e os restantes 12 estão ainda em fase de investigação.

A imprensa no fim de semana revelou que há seis casos de internamento por sarampo na região de Lisboa, um dos quais uma adolescente que teve de ser transferida em estado grave de Cascais para o Hospital D. Estefânia.


Os artigos mais lidos:
E se a pílula lhe estiver a roubar o desejo sexual?
A história inspiradora da modelo que deixou de lutar contra o corpo
Sabia que o maior spa do mundo é grátis? Aproveite enquanto ainda não está muito cheio


Segundo divulgou o Expresso no domingo à noite, a transferência foi feita para o Hospital D. Estefânia porque era a única unidade “com quartos de pressão negativa e cuidados intensivos necessários para este tipo de situações”.

Citando a diretora-geral do Hospital de Cascais, o Expresso revelou ainda que a jovem faz parte de um grupo de seis casos de menores que deram entrada em Cascais com sarampo.

A primeira infeção terá sido detetada numa criança de 13 meses, não vacinada, que deu entrada no hospital a 27 de março, tendo depois contagiado cinco funcionárias, que como estavam vacinadas tiveram a doença mas de forma mais leve.

A DGS informou ainda que esta segunda-feira, pelas 18:30, emitirá um comunicado pormenorizado sobre este assunto.

O sarampo é uma das doenças infeciosas mais contagiosas, podendo provocar doença grave ou mesmo a morte. É evitável pela vacinação e está, há vários anos, controlada em Portugal.

Consideram-se já protegidas contra o sarampo as pessoas que tiveram a doença ou que têm duas doses da vacina, no caso dos menores de 18, e uma dose quando se trata de adultos.

Mais de 500 casos de sarampo foram reportados só este ano na Europa, afetando pelo menos sete países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Lusa