Subir

Eles também se queixam. “Até eu, que não sou um George Clooney da vida, já fui assediado”

Como o tempo afeta a vida sexual do casal (REUTERS/Jason Lee)

Uma atriz e argumentista da Globo aproveitou a confissão de José Mayer para apontar que as mulheres são frequentemente vítimas de assédio sexual. “Quem nunca [foi]?”, perguntou Alessandra Colasanti nas redes sociais, pedindo a quem a segue que relatasse casos particulares. Entre as várias mulheres que o fizeram, a surpresa veio da parte dos homens que leram a sua publicação.

“Até eu, que não sou um George Clooney da vida, já fui assediado por um diretor que queria que eu me ‘encaixasse nele’ para uma personagem de um musical que ele iria produzir”, diz Edson Rocha, que no seu perfil se apresenta como professor de teatro. “Aprendi com a Rita Lee a ser gentil. Ela diz que quando te oferecem algo, ‘seja educado e diga: não, obrigado!”. Só que eu disse-lhe: ‘Querido, vou demorar um pouco para conseguir chegar onde quero, mas eu não cambio (do verbo cambiar) o meu talento por um papel’. Pelo que sei, nunca foi montado o tal musical”, continuou.

Edson Rocha não é o único homem a colocar-se ao lado das mulheres na luta pela denúncia. “E vocês calam-se porquê? Denunciem todos eles e não sejam coniventes”, pede um internauta. “Acho que vocês devam tornar estes depoimentos públicos, [através de] um livro, filme, sei lá. São coisas que sabemos que acontecem, mas materializar isso é importante”, frisa outro.

“Têm é que abrir a boca. [Tornar público] Este tipo de pessoas que se acham com o direito de assediar mulheres em troca de trabalho”, acrescenta um terceiro.

E há até quem dê a dica: “Como uma mulher deve colocar um homem no seu lugar? Em vez de um sorriso amarelo, deve olhar nos olhos e falar: ‘Eu não gosto desse tipo de comportamento, nunca mais faça esse tipo de ‘brincadeira’. Caso contrário… Polícia para você”.

Recorde-se que Susllen Tonani acusou José Mayer de assédio sexual num texto escrito num blogue do jornal ‘A Folha de São Paulo’. O ator começou por negar as acusações, acabando mais tarde por admitir a sua veracidade e pedir desculpa.

Ana Filipe Silveira