Estas mulheres lutam para eliminar a hepatite C

A hepatite C mata. Em Portugal, esta inflamação do fígado provocada por um vírus é uma das principais causas de cirrose e cancro do fígado. Estima-se que, só em território nacional, existam 150 mil portadores e na Europa serão mais de 20 milhões. A epidemia é silenciosa e a maioria dos doentes não sabe que está infetada, nem que existe cura. Para combater este flagelo, várias mulheres de diferentes partes do mundo uniram-se em torno de um objetivo: eliminar a hepatite C até 2030.

O mote foi lançado em maio deste ano, na Assembleia Mundial da Saúde. Os Estados-Membros da Organização Mundial de Saúde assinaram a primeira Estratégia de Saúde Global para as Hepatites Virais. Para que se desse este passo, Raquel Peck, diretora executiva da Aliança Mundial para a Hepatite, foi fundamental. A organização que dirige é composta por 230 instituições – a própria ajudou a criar em 2007 – que trabalham em torno da doença.


Leia também o artigo: Meninas de 10 anos vão ser vacinadas contra o cancro do colo do útero


Além de lutar para que a importância da doença seja reconhecida, Raquel Peck e os membros das suas instituições pretendem certificar-se de que quem vive com hepatite C tem acesso a todos os tratamentos necessários. A britânica dirige, atualmente, o movimento global #NOhep, que visa garantir que os governos que assinaram o acordo na Assembleia Mundial de Saúde cumprem o que prometeram, acabando com a doença nos próximos 14 anos.

Portuguesa na frente da luta contra hepatite C

Ana Cláudia Miranda é especialista em doenças infecciosas. Em Lisboa, cuida de doentes com hepatite C ou co infetados com os vírus da Sida ou hepatite. Ao trabalhar para melhorar a vida dos doentes está também incluída no grupo de mulheres na vanguarda deste movimento global contra a doença. À semelhança da portuguesa, Gloria Taliani, professora em Roma, Itália, desenvolve ferramentas para quem tem hepatite.

À portuguesa e italiana juntam-se mais duas mulheres. Tove Frisch e Luana De Vita viveram com a doença, sem saberem, durante mais de 25 anos. Depois de lutarem para eliminar a hepatite C das suas vidas lutam para a erradicarem. Por todo o mundo têm partilhado a sua história para desmistificar a doença e inspirar outros quem sofre. Todas elas têm um objetivo comum: conseguir que a eliminação da hepatite C seja a próxima grande conquista da humanidade. Fique a conhecer, na galeria de imagens acima, cada uma destas mulheres.

No dia 28 de julho assinala-se o Dia Mundial da Hepatite. Para marcar a data, o Committed to Cure está a organizar uma campanha para incentivar todos a participar na luta contra a doença. Para fazer parte da iniciativa só tem de tirar uma selfie com os dedos em forma de letra C e partilhar nas redes sociais ou enviar para o site da organização com a hastag #CisForCure.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

15 dicas para cortar o consumo de centenas de calo…