Já abriu a exposição ‘Point of View’ no Parque da Pena

A 25 de maio foi inaugurada no Parque da Pena a exposição ‘Point of View’, que ficará exposta durante um ano. A exposição composta por obras de 10 artistas de renome internacional de diferentes nacionalidades. O projeto assinala o bicentenário de D. Fernando II, fundador do Parque da Pena.


Veja ainda o artigo As fotografias das flores mais bonitas do mundo estão em Sintra


A exposição ‘Point of View’ no Parque da Pena (património mundial da UNESCO), enquadra-se como parte integrante da exposição coletiva que se espalha pelos jardins ecléticos sintrenses, com direção artística de Paulo Arraino. As exposição vai reunir 10 artistas de diferentes nacionalidades, reconhecidos internacionalmente: Alberto Carneiro (Portugal), Alexandre Farto/Vhils (Portugal), Antonio Bokel (Brasil), Bosco Sodi (México), Gabriela Albergaria (Portugal), João Paulo Serafim (Portugal), NeSpoon (Polónia), Nils-Udo (Alemanha), Paulo Arraiano (Portugal) e Stuart Ian Frost (Reino Unido).

Este projeto que reúne homem, natureza e arte num único espaço, marcará o bicentenário de D. Fernando II, o rei-artista, criador do Parque da Pena. Objetiva-se a experiência multissensorial dos visitantes, que percam e se encontrem no Parque, que explorem as perspetivas, a realidade e os “pontos de vista”.

“O primeiro objetivo deste projeto foi criar um evento exclusivo de homenagem com vista à celebração do bicentenário de D. Fernando II, o criador visionário do Parque e Palácio Nacional da Pena. O segundo objetivo foi o de reavivar a intenção original do Parque da Pena – a potenciação da relação entre o Homem e a Natureza – potenciando, assim, uma experiência mais autêntica e enriquecedora para os visitantes da Pena, guiando-os para as zonas mas recônditas dos jardins de D. Fernando II.”, reitera a diretora do projeto, Sofia Barros.

A exposição requer a montagem de instalações específicas, colocadas em diferentes pontos do Parque da Pena. Na edificação das estruturas serão utilizados, maioritariamente, materiais naturais existentes no próprio espaço.

As peças não serão retocadas, não havendo qualquer tipo de manutenção, durante o tempo em que estiverem em exposição, ou seja até maio de 2017. A razão é o facto de o amadurecimento natural de cada peça, pelos elementos e pelo próprio tempo, faz parte do conceito do projeto.

O diretor artístico, Paulo Arraino, explica o método por trás do conceito do projeto:

“Neste contexto, dez artistas trabalham como agentes de re-conexão e diálogo entre o binómio Homem/Terra (conceitos que na sua essência são o mesmo, embora uma noção pouco presente na sociedade dita contemporânea), através de um processo de acupuntura geográfica, criando, assim, diferentes diálogos in situ com um organismo vivo. ‘Point of View’ pretende desta forma celebrar e relembrar essa correlação e colaboração iniciada por D. Fernando II em 1838, após a criação de um ponto nevrálgico para património cultural da humanidade”.

7. Point of View

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

Poucos mas bons os nomes femininos na ARCO Lisboa…