Ivanka Trump afasta-se do pai no caso dos confrontos de Charlottesville

Ivanka Trump, filha e conselheira do Presidente norte-americano, denunciou, este domingo, 13 de agosto, “o racismo, a supremacia branca e os neonazis”, numa altura em que o seu pai foi criticado pela reação à violência que marcou uma ação da extrema-direita em Charlottesville.

“Não há lugar na sociedade para o racismo, a supremacia branca e os neonazis. Devemos unir-nos como americanos e ter um país unido”, escreveu Ivanka Trump na rede social Twitter.

Esta tomada de posição demarca-a de Donald Trump, que acusou os manifestantes de extrema-direita e contramanifestantes antirracistas, os quais responsabilizou pela “violência de diversas partes”.
O Presidente foi fortemente criticado pelos seus comentários, incluindo entre os republicanos.

O senador da Flórida, Marco Rubio, instou o presidente a descrever os eventos como aquilo que são: “Um ataque terrorista de supremacistas brancos”.

Uma mulher de 32 anos morreu sábado em Charlottesville, no Estado da Virginia, após uma viatura avançou para os contramanifestantes que se opunham a uma concentração promovida pela extrema-direita. Um homem de 20 anos, oriundo do Estado de Ohio, foi detida.

Imagem de destaque: Reuters

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

Inês Henriques: há 25 anos a trabalhar e a lutar…