A jornalista com um sorriso nos lábios que o Estado Islâmico executou

Jornalista síria Ruquia Hassan executada pelo Estado Islâmico

O Estado Islâmico (EI) matou aquela que se acredita ser a primeira mulher “jornalista cidadã” a partir da cidade síria de Raqqa, controlada pelo grupo terrorista. A jovem, de 30 anos, partilhava com o exterior a forma como se vive neste território. Foi morta por “espionagem”.

A execução de Ruquia Hassan eleva para 50 o número de repórteres mortos pelo EI desde outubro, segundo as contas da organização de jornalismo sírio Syria Direct. A jornalista escrevia no seu Facebook pessoal sobre o seu dia a dia na cidade e, sempre que aconteciam, relatava ataques aéreos realizados pela coligação liderada pelos Estados Unidos.

Ruquia Hassan, que utilizava também o pseudónimo Nisan Ibrahim nas redes sociais, era jornalista independente. Nas fotografias que publicava no Facebook aparecia a sorrir, com batom rosa nos lábios, e a usar hijab, o lenço religioso islâmico que cobre os cabelos e o pescoço.

A sua morte foi confirmada pelo grupo ativista dos direitos humanos na Síria, Raqqa is Being Slaughtered Silently – RBSS – (Raqqa está a ser silenciosamente massacrada).

Abu Mohammed, fundador do RBSS, tweetou que as últimas palavras de Ruquia foram: “Estou em Raqqa e fui ameaçada de morte, e quando o Estado Islâmico me prender e me matar, estará tudo bem porque me vão cortar a cabeça e eu terei dignidade, é melhor do que viver humilhada pelo EI.”

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

Uma portuguesa nos sub-30 da Forbes