Subir

Marine Le Pen recusou o véu islâmico em Beirute

marine-le-pen

Marine Le Pen, candidata da extrema-direita às presidenciais francesas, recusou-se esta terça-feira a usar o véu imposto às mulheres no encontro com o mufti de Beirute, o líder religioso local,

Momentos antes da reunião, elementos do gabinete do grande mufti da capital do Líbano mostraram um véu a Marine Le Pen mas a líder da Frente Nacional disse que não necessitava.

“A mais alta autoridade sunita do mundo não me fez essa exigência. Por isso não vejo que tenha qualquer razão para… Mas não é grave, transmita ao grande mufti os meus respeitos mas não me vou tapar”, disse Marine Le Pen.


Leia também os artigos:
10 sobremesas saudáveis com chocolate
Os vestidos mais escandalosos de sempre
O significado dos nomes mais escolhidos em Portugal


A líder da extrema-direita francesa referia-se à visita efetuada em maio de 2015 ao Egito onde se encontrou com Ahmed al-Tayeb, o grande iman de Al-Azhar da cidade do Cairo.

“O pedido para o uso do véu foi transmitido na segunda-feira mas ela fez saber que não o ia usar. O convite não foi anulado” tendo Marine Le Pen comparecido no local da reunião, disse à France Presse um elemento da comitiva da Frente Nacional.

Marine Le Pen encontra-se de visita ao Líbano desde domingo tendo ainda previstos encontros com o patriarca maronita Bechara Rai e com Samir Geagea, líder do partido Forças Libanesas.

Mufti de Beirute recusou-se a receber Le Pen com a cabeça descoberta

O mufti de Beirute, autoridade sunita do Líbano, recusou-se esta terça-feira a receber Marine Le Pen porque a presidente da Frente Nacional francesa se escusou a cobrir a cabeça com o véu islâmico.

Um comunicado do gabinete do mufti de Beirute, xeque Adbelatif Derian, lamenta o “comportamento inapropriado” de Marine Le Pen que “se recusou a usar o véu islâmico, requisito para ver o mufti”.

“Le Pen tinha sido informada sobre a necessidade de cobrir a cabeça para se reunir com o mufti mas quando chegou recusou fazê-lo, apesar dos pedidos que tinham sido feitos nesse sentido”, acrescenta o documento.

Lusa