Networking: uma ferramenta social de emprego essencial

shutterstock_323856479

Esqueça a secção de empregos do jornal de domingo e a formatação correta do CV: nos dias de hoje, o networking é quase sempre a alínea mais destacada na lista de recursos a usar quando se procura emprego, ou simplesmente se pretende investir mais na carreira. E emque consiste exatamente o networking? Ana Rita Rosário, do departamento de Community Management and Communication da Ray Human Capital, acredita que cada pessoa tem a sua própria definição da palavra. “Há quem entenda «networking» como forma de vender a sua marca pessoal, e outros apenas como os contactos que vamos estabelecendo ao longo da nossa carreira. Como a própria expressão em inglês indica, networking representa a rede de contactos que estabelecemos e a forma como mantemos as relações com os mesmos (sejam estes pessoais, comerciais ou profissionais).”

Na opinião de Esther Liska, Personal Branding Coach & Mentora do Glow Woman Club, uma Organização para promover a liderança no feminino baseada no networking organizado, “a maior parte das pessoas faz networking de forma inconsciente e, claro, dentro da sua zona de conforto. Ou seja, quando se disponibiliza para ajudar um colega de trabalho, ou pede a um amigo para lhe recomendar um mecânico de confiança para levar o seu carro, está a «trabalhar em rede».” Para Esther Liska, esta “ferramenta social” está ao alcance de todos mediante uma simples adaptação de mentalidade, já que envolve interesse genuíno pelas pessoas, com respeito, solidariedade e reciprocidade. “Networking não exige investimentos financeiros, mas mudanças de hábitos diante da sua vida social. É preciso vencer as resistências e as autodefesas e desenvolver a humildade.”

A importância do networking está longe de ser subestimada. Sabemos que atualmente, e perante uma vaga, a maioria dos empregadores procura na sua rede de contactos um candidato que preencha os requisitos antes de divulgar a oferta de emprego. “A verdade é que muitas ofertas não chegam a ser publicitadas e, quando o são, já passaram pela fase do pedido de referências a colegas de trabalho, da pesquisa interna, da pesquisa pela rede de contactos no LinkedIn, entre outros. Conseguir construir e manter relações pode ser no futuro uma grande mais-valia. Quanto maior for a sua rede de contactos, maior será a probabilidade de encontrar uma oferta que mais se ajuste aos seus objetivos profissionais”, salienta Ana Rita Rosário.


Leia também 5 formas de conter os nervos e ficar com o emprego


Para potenciar as vantagens do networking em prol da sua carreira, deve colocar o seu foco num plano estratégico bem realista. “É essencial definir claramente os seus objetivos profissionais, determinar as caraterísticas das pessoas chave do seu círculo de relacionamentos, perceber onde podem ser encontradas essas pessoas (tipo de eventos que frequentam, a que grupos pertencem, por exemplo: ex-alumni, ex-colegas ou atuais colegas de trabalho, Câmaras de Comércio, organizações de networking, clubes, conferências, congressos, etc.), e qual a abordagem mais adequada (via LinkedIn, Facebook, etc.), sendo que o contacto pessoal é sempre o preferencial”, refere Esther Liska.

As mulheres e o networking

Aparentemente, foram os homens os primeiros a despertar para os benefícios de uma boa rede de contactos profissionais. Esther Liska considera que “há muitos momentos de partilha entre os homens. Mui­tos clubes, associações, organizações onde se potenci­am as relações de companheirismo, de ajuda mútua de partilha de negócios, mas onde não há capacidade de acolhimento para as mulheres. Desde muito cedo estive ligada a organizações de networking e até cheguei a trabalhar muitos anos com Câmaras de Comércio onde organizávamos os eventos para os associados, mas notava que a participação era sempre maioritariamente masculina. Entendi que fazia falta um evento de networking que fosse mais apelativo para as mulheres e desenvolvido em horário adequado às mulheres. Encontrei esse período na hora de almoço (que faz parte do horário de trabalho) e não no final do dia (momento mais impeditivo para grande parte das mulheres), nascendo assim o Glow Lunch. Por outro lado, apercebi-me de que também era necessário incentivar as mulheres a fazerem networking porque ainda não havia essa cultura totalmente instalada.”


Leia também Dar a volta e arranjar emprego depois dos 50


Também a WomenWinWin, uma Comunidade criada com o objetivo de catalisar e potenciar o empreendedorismo feminino em Portugal, promovendo e divulgando em rede as iniciativas empresariais das mulheres, o networking, a partilha de conhecimento e o desenvolvimento de competências, quis dar mais ênfase ao networking feminino. Aqui privilegia-se a comunicação online. “Subjacente, esteve o facto, comprovado estatisticamente, de que as mulheres europeias, em geral, têm vindo a utilizar em crescendo o e-commerce e as redes sociais”, indica Leonor Batalha Santos. Na plataforma WomenWinWin, “as empreendedoras registam-se e podem interagir com outros membros, promovendo o business matching e a sua visibilidade. A pesquisa é fácil através de atividade, nome de empresa, zona geográfica. A interação é feita através de mensagens. Acreditamos que é esta uma ótima ferramenta de networking e estamos a promover a sua utilização para que a mesma seja rentabilizada e a interação em rede se multiplique e se traduza em mais contactos, maior divulgação, mais sinergias, mais negócio”, acrescenta Leonor.

O networking no dia-a-dia

Ana Rita Rosário considera que é essencial cultivar o networking mesmo quando pensamos não precisar dele. “As pessoas sentem quando tentamos um contacto apenas porque precisamos. A primeira prática acaba então por ser fazer do networking um hábito. Se mantivermos os contactos, as oportunidades surgem naturalmente e quando estamos à procura de uma mudança ou de um novo emprego será mais fácil fazer uma primeira abordagem.” No entanto, há que ser proativo. “Deve ir a eventos, claro, mas não a todos. O ideal é escolher os eventos, grupos ou atividades que estejam interligados com a nossa área ou com o que nos apaixona.” Não se esqueça também que um almoço ou um simples café com antigos colegas da faculdade podem ser momentos cruciais. “São pessoas que estão em empresas e até em países diferentes dos nossos, nunca se sabe se não nos recomendam uma ótima oportunidade”, acrescenta Ana Rita.

Uma vez numa situação propícia ao networking, o que fazer para potenciar os frutos desse encontro? “Investir primeiro na sua ‘Marca Pessoal’. Comunicamos a todo o momento, mesmo sem falar, e são essas mensagens silenciosas que podem fazer ganhar ou perder uma oportunidade. Cuide da sua imagem (vista-se para o trabalho que quer ter e não para o que tem), faça alguma atividade física e cuide da sua alimentação, avalie o seu comportamento, defina os seus ob­jetivos, atualize os seus conhecimentos. Seja também consistente – estudos demonstram que menos de 10% das pessoas fazem negócios com alguém novo num grupo dentro dos três primeiros encontros. Estu­dos adicionais demonstram que quase um terço de todos os negócios que se realizam acontece após o oitavo encontro com essa pessoa”, explica Esther Liska.


Saiba quais são Os 6 passos-chave para se tornar numa empresária de sucesso


Faça-se notar e conquiste o seu espaço: “Aparecer regularmente em eventos de networking fornece evidências de consistência, característica típica das pessoas confiáveis.” Para melhor cimentar a sua rede de contactos, Ana Rita Rosário aconselha: “Devemos procurar pessoas com os mesmos interesses. Às vezes, o mais importante é fazer as perguntas certas, ouvir e observar. Se conseguirmos manter uma boa conversa, demonstrar as nossas mais-valias e perceber o que tem para oferecer o interlocutor, é importante também questionar a pessoa de que forma gostaria de manter o contacto no futuro (e-mail, telefone, redes sociais).” E sobretudo, segundo Esther Liska, não deixe de ser pontual, sorrir, ser humilde, reconhecer e agradecer. Prepare o seu discurso por forma a ser entendido facilmente aplicando a regra KISS: “Keep It Sweet and Short”. E torne-se memorável pelas melhores razões!

O networking nas redes sociais

Não é apenas ao vivo e a cores que o networking oferece regalias. As redes sociais são preciosas e muitas das vezes o recurso imediato de quem procura um potencial candidato. “A regra de ouro nas redes sociais é consistência e congruência. As fotografias que coloca de si, imagens que partilha, a linguagem que utiliza, a sua postura em fóruns digitais e opiniões sobre artigos (sobretudo no LinkedIn) falam da sua ‘Marca Pessoal’, e também esta imagem que transmite deve ser congruente e consistente com a sua forma de ser e de estar”, afirma Esther Liska. “Não é necessário que participe em todas as redes sociais, deve escolher qual delas é o meio que mais se adequa à sua estratégia e objetivos e concentre a sua atenção naquela que realmente faz a diferença.” Ana Rita Rosário reforça: “Não há dúvida que as redes sociais se tornaram ferramentas fundamentais para o mercado de trabalho. É fácil enumerar as potencialidades da rede e a forma como podemos retirar o maior partido das mesmas.

O LinkedIn, por exemplo, detém um espaço exclusivo para divulgar o nosso currículo, para além da informação detalhada que podemos adicionar ao nosso perfil, permite-nos solicitar e atribuir referências profissionais, o nosso perfil pode estar sempre atualizado, podemos seguir empresas com as quais gostaríamos de trabalhar um dia, criar alertas para as ofertas que mais nos interessam através da ferramenta LinkedIn Jobs, entre outras vantagens. Uma dica: pode fazer a análise do socilab para compreender melhor de que forma está a potenciar a sua conta de LinkedIn. Por outro lado, experimentar outra ferramenta muito interessante, Immersion, para compreender com quem troca e-mails.”

Comece hoje!

Na realidade, sobre as potencialidades do networking nada há como testar. Leonor Batalha Santos deixa o convite para dois eventos da WomenWinWin: “Dia 10 de novembro, a apresentação do Pólo WomenWinWin no Norte, com um Comité no Porto. Uma clara evidência do crescimento da Comunidade e da necessidade premente de chegar mais próximo e de aproximar mais mulheres. Além da apresentação da fantástica equipa do Norte, haverá um programa cheio que inclui uma mesa redonda com mulheres empreendedoras e onde este tema fulcral, «A importância do Networking no Empreendedorismo», vai ser fundamentado pela investigadora Dra. Elisabete Sampaio Sá. A entrada é livre, mas o registo obrigatório. E no dia 29 de novembro, no Hotel Florida, em Lisboa, realizaremos o 12º almoço de networking – uma oportunidade única para estreitar a rede de contactos, partilhar experiências, criar sinergias e procurar parcerias e inspiração.”

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

Grátis, grátis: treinadora de Éder ensina a ter…