Leilão: O olho de Ziggy Stardust

É colecionador? Quer começar agora? Espere por novembro, porque a Sotheby´s de Londres vai leiloar a coleção privada de arte de David Bowie. E mesmo para quem não tem dinheiro para comprar nenhum dos itens, só o facto de a poder conhecer e (há um leitor de cor rosa em todas nós) saber o que David Bowie tinha nas paredes é uma bênção.

A coleção é composta por cerca de 400 peças, do melhor que os Modernos e os Contemporâneos fizeram e, em parte devido a este enorme acervo, a Sotheby’s dividiu o leilão em 3 partes. Antes do evento, parte da coleção corre já mundo, para aguçar os apetites em 4 cidades escolhidas pelo seu potencial comercial; desde julho e até outubro Londres, Los Angeles, Nova York e Hong-Kong podem ter um preview do que a Sotheby´s de Londres na New Bond Street disponibilizará ao mundo.

Não há muitas celebridades das quais se tenha curiosidade em conhecer o íntimo, como só o revela a escolha das coisas pelas quais nos rodeamos, como a arte. E Bowie não era apenas uma celebridade: não houve em tempo algum uma onda de pesar nas redes sociais, tão grande e tão contínua, como aquando da sua morte. Com a morte de Bowie, toda a gente morreu um bocadinho.

Saber o que o encantou é saber mais sobre o artista. Disse ele, em 1998, ao New York Times:

“Arte é, falando a sério, a única coisa que sempre quis ter. Para mim foi sempre um alimento, e usei-a dessa forma. Consegue mudar a forma como me sinto de manhã. E a mesma obra pode afetar-me de formas diferentes, dependendo daquilo por que estou a passar.”

A sua faceta de colecionador era das coisas de que menos se sabia sobre ele e este leilão é capaz de ser a bomba do mercado da arte neste inverno: para além do seu valor intrínseco, estas coisas foram de Bowie, que bebia café de roupão, de manhã, olhando para elas. Só isto acrescenta pelo menos um dígito ao preço.


Leia também David Bowie, o influenciador da moda


O volume desta coleção levada a leilão, sendo de um particular, não é normal, nem a qualidade do que se mostra; não deixe de ler atentamente as legendas da breve (porque não nos deixam fazê-la maior) galeria que é um pequeno espelho do que a Sotheby’s leiloará em novembro. Só os nomes são o melhor aperitivo para o que aí vem, e de todos, esta tríade pela qual se batem museus ao redor do mundo, Basquiat, Hirst e Auerbach. Não será surpresa, aliás, se representantes do MoMA de Nova Iorque ou da Tate de Londres estiverem lá de plaquinha na mão.

A especial paixão de Bowie pelos Modernos e Contemporâneos, concluímos nós agora depois de conhecer a coleção, é bem refletida na sua obra e não apenas ao nível empático; Bowie fá-lo consciente e deliberadamente. Por exemplo, sobre a sua relação com a tela Head of Gerda Boehm, de Frank Auerbach, David disse “Ó meu Deus! Quero que me ouçam assim!” numa entrevista ao New York Times.

A qualidade e a extensão do acervo obrigou, pelos melhores motivos, a Sotheby’s a estender o leilão por 3 jornadas, uma a 10 de novembro e duas no dia seguinte.
E em Londres, porque afinal, na sua busca pela melhor arte moderna e contemporânea mundial, Bowie acabou por se render também aos ingleses seus conterrâneos, como nos diz Simon Hucker, Especialista Sénior em Arte Moderna e Pós-Guerra da Sotheby’s: “Enquanto colecionador, Bowie procurou artistas com os quais sentisse algum tipo de união e obras que o inspirassem. Tal acabou por conduzi-lo, naturalmente, aos ingleses do início e meados do século XX, e, de alguma maneira, também a casa”.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

Receitas saudáveis e saborosas para bebés e cria…