Subir

O testemunho de Mafalda Rodiles sobre a amamentação prolongada

A imagem que partilhou foi captada há seis meses e eterniza, como diz, “um dos momentos mais lindos” da sua vida. Mãe de Mel, de quase três anos anos, Mafalda Rodiles partilhou a fotografia para dar o seu testemunho sobre a amamentação prolongada e para incentivar as outras mães a “aproveitarem cada momento” com os filhos, porque o tempo “passa rápido demais”.

“Amamentei a minha filha durante 35 meses”, começa por dizer a ex-moranguita, atualmente a viver no Brasil. Fê-lo sem restrições e “sempre” que Mel queria, fosse “na rua, no restaurante”. “E, sinceramente, nunca reparei em nenhum olhar incomodado”.

“Assim que nasceu, ela agarrou-se ao meu peito com tanta força que o feriu, e os primeiros 15 dias foram realmente difíceis e dolorosos. Depois, tornou-se a coisa mais normal do mundo para as duas”.

No seu testemunho, Mafalda, de 34 anos, admite que começou, juntamente com o marido, o diretor de novelas da TV Record, Edgar Miranda, a explicar à filha “que ela conseguia dormir sozinha, assim como acontecia várias vezes no carro”.

“No dia em que fez 35 meses, cantámos os parabéns de manhã e eu expliquei-lhe que ela não precisava mais de mamar. Foi muito mais fácil do que pensei. (…) Não chorou. Foi tudo feito ao nosso ritmo, sem mentiras, sem truques, sem pressão”, prossegue.

Mel “parou de mamar há cinco dias”. “Sim, dá uma saudade danada vê-la adormecer nos meus braços, mas agora eu canto para ela, conto histórias e faço ‘cafuné’ na sua cabecinha até ela dormir. Obrigada filha, por tudo”, terminou.

Esta não foi a primeira vez que Mafalda Rodiles abordou a questão da amamentação. Em setembro do ano passado, a ex-atriz partilhou uma outra fotografia sua com Mel para falar sobre “a amamentação já não ser mais bem vista pela sociedade”. “Já ouvi alguns comentários tipo ‘Mas para quê, se ela já come?’ ‘Esse leite já não faz nada…’ ‘Mas ela não morde?’ ‘Ela vai ficar mimada…’ e por aí adiante”, esclareceu.

“A Organização Mundial de Saúde recomenda que a criança seja amamentada pela mãe no mínimo até aos dois anos. No mínimo não significa no máximo”.

Nessa altura, fez questão de afirmar que “leite não é só alimento, mas é também amor, aconchego, carinho e vínculo com a mãe”. “A Mel usou chupeta apenas dois meses e recusou. Ela come super bem, gosta de mamar para dormir. É uma decisão minha e dela, só”, escreveu.

Ana Filipe Silveira