The Pitch Market: design 100% português

De 22 a 25 de setembro o Terreiro do Paço, em Lisboa, está cheio de contentores. E dentro deles estão os trabalhos de designers portugueses, com especial incidência de criadores de peças de mobiliário e acessórios para a casa. Esta é a segunda edição do Pitch Market, com o dobro dos expositores da primeira. Tiago da Costa Miranda, o fundador, dá-nos boas razões para passarmos por lá e investirmos no design português.

Porquê um mercado de marcas só para a casa?

Porque não existia nada e porque temos muito e bom design em Portugal. Temos a vontade e a missão de dar oportunidades aos artistas e designers para se mostrarem, comunicarem e crescerem. Todos nós convivemos todos os dias com o design. Não importa o estrato social, económico, profissional ou zona geográfica do país, todos os dias o design está presente quase em permanência. Nas nossas casas, nos nossos locais de trabalho, nos restaurantes ou bares ou museus, ou onde quer que estejamos. O design faz parte da nossa vida… é inevitável.

Mas as palavras design e caro continuam a ser associadas…

Quantas vezes é que pensamos que gostaríamos de ter aquela almofada ou precisamos de mais um candeeiro para aquele canto lá de casa ou que sabemos que o nosso amigo, filho ou irmão está a precisar de uma jarra ou uma taça lá para casa? No The Pitch Market Lisboa encontram-se esses objetos. Não só se encontram como eles são de design nacional, não estão produzidos em séries “infinitas” (fazendo com que todos tenham peças iguais), e estão com preços acessíveis e têm muita qualidade. E como selecionamos as marcas com a preocupação de abranger todos os gostos e estilos e todas as gamas de preço, toda a gente tem sempre algo que gosta e que leva para casa. E com a entrada nesta época de volta à vida da cidade, muitas são as pessoas que já lá vão começar as compras de Natal. Claro que este é um tipo de compra que não se faz com a regularidade semanal ou mensal … mas como a nós acontecemos apenas uma vez no ano, essa questão da compra diária, semanal ou mensal, não se põe.

Porquê um mercado de marcas 100% portuguesas?

Eu trabalho na área da Arquitetura e do Design há vários anos, e sempre senti que havia muito talento nacional para dar a conhecer. Fascina-me a criatividade dos jovens designers e das micro marcas, e tenho sempre a noção que nunca conhecemos bem esse seu trabalho. Não podia estar mais em desacordo com aquela máxima de que “já tudo foi feito e inventado”. Eu, apesar de mais de uma década a trabalhar nesta área (e grande parte dela, junto de jovens talentos), consigo sempre encontrar muitas criações que ainda me surpreendem. Nos últimos anos, por questões profissionais, vi toda uma nova vaga de jovens designers, com uma filosofia nada elitista, que se focavam, de facto, em criar objetos originais e inovadores e a preços bastante mais democratizados, que, no entanto, só estão acessíveis a quem os conhece pessoalmente e, às vezes, nas redes sociais e online.

Com a moda dos mercados urbanos instalada e bem consolidada, com a necessidade, que via, de haver um mercado urbano que não fosse informal e primasse pela qualidade e se assumisse como um evento (com toda a produção e qualidade que caracteriza os eventos) e com a inexistência de uma oportunidade para os designers de equipamento portugueses darem a conhecer cá dentro as suas marcas, e ao mesmo tempo, crescerem do ponto de vista de negócio, surgiu esta ideia do The Pitch Market Lisboa.

Além disso, este ano, com a coorganização da Câmara Municipal de Lisboa, a fasquia subiu ao nível da importância de valorizar o que é português. Para nós é sem dúvida um orgulho contar com esta relação de parceria, por ser uma prova exterior à organização de que estamos a fazer um bom trabalho e, acima de tudo, algo de positivo para a cidade e para o design em Portugual.

O que é que o design português oferece aos compradores que os outros designs não oferecem?

Em duas palavras: identidade nacional. Pensando nas marcas que vão estar este ano no The Pitch Market Lisboa, temos designers independentes, alguns já com bastante nome na praça, como o Martinho Pita ou Sebastião Lobo, e também algumas marcas que já têm alguma notoriedade no mercado, como é o caso da Puracal, da Corque – a maior marca nacional de mobiliário de cortiça – e também o Atelier de Burel, que já participou na edição passada, e que, graças ao sucesso do ano passado, esta edição vai duplicar o seu espaço.

Já conhecidos do nosso público do ano passado temos os nossos best sellers: a muito interessante Formas de Pedra; a sempre popular ilustradora Dai; e a irreverente Tosca Lab. Mas há muitas mais marcas no Market e para todos os gostos e todas as carteiras … e é esta diversidade de estilo e de preços que nos caracteriza. Lá por apostarmos no formato de contentor marítimo, não quer dizer que somos apenas alternativos. Temos de tudo, mais alternativos, mais tradicionais, mais intelectuais, mais populares … todas as marcas que temos connosco, que vêm de trás os montes aos açores, fazem parte desta diversidade e desta qualidade do design nacional.

São marcas com muita qualidade e que representam a diversidade da criatividade nacional. Mais do que uma mostra, no The Pitch Market Lisboa, os nossos visitantes podem comprar, levar para casa e testemunhar todos os dias que o design português é bom e acessível!

The Pitch Market Lisboa tem entrada livre e está aberto ao público das 11h00 às 21h00. Veja na nossa galeria alguns dos artigos que pode encontrar neste mercado urbano de design português.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

O jardim do 3º esquerdo