Prémio Revelação Bessa-Luís anulado a Carla Pais

Livros

O júri do Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís, presidido por Guilherme d’Oliveira Martins, deliberou, por unanimidade, “anular a decisão anterior”, não atribuindo o prémio a Carla Pais, “por ter sido violado o regulamento do galardão”.

O júri deliberou, em reunião, “anular a decisão anterior, não atribuindo o prémio nesta 9.ª edição, uma vez que a autora publicara já, numa editora portuguesa, uma obra de teor romanesco”, lê-se na ata, à qual a agência Lusa teve acesso.


Leia também os artigos:
Assembleia da República e a TAP entre os distinguidos com os Prémios Arco-Íris
Agência Glam fecha 2016 com vários prémios no digital
Teolinda Gersão vence Prémio Literário Vergílio Ferreira 2017


O prémio distingue uma primeira obra, não devendo o autor, segundo o regulamento, ter publicado anteriormente qualquer obra romanesca.

Fonte do júri afirmou à agência Lusa que se “verificou, entretanto, que a candidatura viola o artigo 1.º do Regulamento do Prémio, que estabelece que este Prémio, instituído pela Estoril Sol em homenagem à grande escritora, ‘destina-se a distinguir, anualmente, um romance inédito de autor português sem qualquer obra publicada no género'”.

Na ata lê-se que o júri distinguiu, “em tempo próprio, a obra ‘Mea Culpa’, apresentada sob pseudónimo por Carla Pais, no pressuposto da sua conformidade com as normas do concurso”.

Segundo o site da Câmara de Leiria, Carla Pais, natural de Regueira de Pontes, no concelho de Leiria, apresentou, há cinco anos, o romance Renascer, na Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira, naquela cidade. Segundo a mesma fonte, “este é o terceiro livro que a escritora publica, no espaço de dois anos”, e adiantava que “o quarto romance” estava “a ser escrito ‘online'” em www.decarlapais.wordpress.com.

Além de Guilherme d’Oliveira Martins, o júri do prémio foi constituído por José Manuel Mendes, pela Associação Portuguesa de Escritores, Maria Carlos Loureiro, pela Direção-Geral do Livro e das Bibliotecas, Manuel Frias Martins, pela Associação Portuguesa dos Críticos Literários, e, ainda, Maria Alzira Seixo e Liberto Cruz, convidados a título individual, e Nuno Lima de Carvalho e Dinis de Abreu, em representação da Estoril Sol.

O prémio, no valor pecuniário de 10.000 euros, é uma parceria da Estoril Sol com a Editorial Gradiva, que publica o título vencedor.

Sobre Mea Culpa, o júri tinha considerado tratar-se de “um romance que transporta o leitor para um duro patamar de existência humana e social. Miséria e decadência sob formas violentas, que vão do incesto a diversos modos de servidão, [que] circunscrevem relações humanas envenenadas por injustiças e desesperos”.

Realçaram os jurados em ata que “a linguagem do romance é ela própria atraentemente crua e distanciada, embora sem nunca perder o sentido da sua orientação literária, quer na riqueza vocabular e imagística, quer no alcance da construção narrativa, quer ainda no modo como a memória da poesia acaba por ocupar uma espécie de espaço de luz em vidas dela afastadas”.

Segundo se lê na ata então exarada, Mea Culpa é “um romance feito de muitas dores humanas, mas também de esperança”.

Carla Pais, que vive em Paris, onde trabalha num Centro de Formação à Distância, quando soube da vitória, afirmou-se “surpreendida” com a distinção.

“Nunca me passou pela cabeça arrecadar o galardão. Ainda assim precisava de tentar; saber se aquilo que escrevera podia ser apreciado por um júri. Foi por isso que concorri ao Prémio Agustina Bessa-Luís”, disse.

“A partir de uma determinada altura, escrever tornou-se tão necessário como ler. Em 2013 ou 2014, confiando na recomendação de um crítico literário que muito aprecio, descobri a escritora Herta Müller, a sua prosa tão poética e tão crua em simultâneo, e resolvi fabricar o conto A alma do Diabo, com que concorri e ganhei o Prémio Literário Horácio Bento Gouveia, no ano passado, na Madeira”, disse na ocasião a autora.

Em 2015 tinha já arrecadado o 3.º lugar do Prémio Poesia Agostinho Gomes, com o poema “Assimetria dos lábios”.

A autora decidiu então, escrever um romance: “Um bom romance, um romance com a qualidade que exijo dos escritores que admiro”, disse.

“Quis provar a mim mesma que seria capaz de escrever um romance. Foi daí que nasceu Mea Culpa. Dessa exigência. Dessa vontade de conseguir”.

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

Letizia recusa viajar para a Arábia Saudita com F…