Subir

Quando um filho nos torna empreendedoras

Maria Lourenço e Sara Abecassis Burnay mudaram de carreira, e de vida, impulsionadas por um motivo comum: a família. Conheça a história destas duas empreendedoras que trocaram o certo pelo incerto, numa altura da vida em que a estabilidade se assemelha, à maioria, como um oásis.

Quando nascem os filhos as responsabilidades aumentam e a tendência, legítima, de muitos pais é procurar maior estabilidade financeira e profissional. Ora, Maria e Sara fizeram o oposto. Decidiram empreender por conta própria e lançar negócios que, a bem da verdade, nasceram para dar resposta a necessidades que ambas sentiram quando o agregado familiar aumentou. Apesar das adversidades e do risco imposto pelo mercado, cada vez mais competitivo, “nunca” se arrependeram da mudança. A expressão é delas: um literal e expressivo nunca!

Yoga Kids

O Mom and Me, de Sara A. Burnay

Licenciada em Educação Básica e Mestre em Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico, pela Escola Superior de Educadores Maria Ulrich, Sara tem 30 anos e dois filhos. Diz que ser educadora de infância é sinónimo de “continuar a sonhar de olhos abertos, brincar e nunca deixar de acreditar.” Sempre trabalhou por conta de outrem, na área que escolheu para fazer carreira, e a vida corria-lhe tranquila assim… Até o pediatra lhe dizer que a saúde do filho, que sofre de asma, estava em risco, aconselhando-a a retirar o bebé do colégio. Não hesitou e seguiu as recomendações médicas: “a decisão foi tomada rapidamente; tive meses de preparação a assistir ao meu filho a tomar remédios constantemente, antibióticos, e a enfraquecer devido a isso. Foi muito penoso assistir a um bebé tão pequeno ter que ingerir tantos químicos… isso fez com que a decisão se tornasse óbvia.” Despediu-se e ficou com o seu bebé em casa; “no resto, pensaria depois”. O depois eventualmente chegou.

 


Leia também 6 passos-chave parar se tornar uma empreendedora de sucesso


 

Ser mãe a tempo inteiro teve, entre outras, duas consequências a curto prazo: muitas alegrias e muita solidão e terá sido esta última a ditar a criação do Mom and Me, em Campo de Ourique. “Decidi que não tinha mais que ser solitário e por isso abri este espaço onde partilhamos dúvidas, alegrias, dificuldades e certezas entre mães”, justifica a empreendedora que, até ao momento, ainda não descobriu desvantagens neste processo pelo qual passou.

Afinal, de que trata o Mom and Me? É um centro materno-infantil capaz de acompanhar as mães e filhos desde a gravidez até aos 4 anos de idade da criança. Inclui as áreas de Desenvolvimento, com música, expressão plástica e psicomotricidade, com atividades de sociabilização para bebés especialmente os que ainda não frequentem a creche; Yoga baby and kids, Curso de preparação para o parto, Pilates pré e pós Parto, Ginástica hipopressiva, Ginástica mãe-bebé, Nutrição, Aniversários, Babyshowers e Babysitting. No centro, e apesar da gestão lhe consumir muito tempo, Sara exerce a atividade que a faz sonhar: “Sou educadora e faço questão de continuar a trabalhar, em campo, para sempre.” E termina: “Acho que fiz o percurso ao contrário das outras pessoas. Primeiro fui mãe e depois investi na vida profissional; comigo foi o que resultou, pois os meus filhos fizeram-me acreditar que era possível.”

Co¦üpia de HR-Feijao-Botao-amarelo-parMaria Lourenço e o Pé de Pato que ‘desenhou’

Maria casou-se há 10 anos, na altura tinha 36, e o enlace trouxe duas “miúdas lindas” que a despertaram para toda uma nova realidade. Uma das novidades passou por uma coisa tão simples quanto comprar-lhes sapatos; aí percebeu que aquela tarefa era bem mais complicada do que, à partida, poderia parecer: “tudo era igual, caro e não obrigatoriamente de qualidade”, lembra. Na mesma altura, a marketeer “por obra do destino”, licenciada pelo ISCEM, percebeu que a sua área profissional já acusava os primeiros sinais de crise… um mais um e nasceu o seu novo negócio.

“Era um facto que na altura não havia muita escolha e o mercado pedia opções; as ideias foram surgindo e comecei a contactar fabricantes”. Com as ideias e os contactos, a experiência em Marketing, que certamente terá ajudado a ‘ler’ o mercado, a vontade de calçar uns belos sapatos às ‘suas’ “miúdas lindas”, Maria lançou a marca Pé de Pato e abriu uma loja em Campo de Ourique, especializada, entre outros modelos, nos clássicos sapatos de Carneira. “São confortáveis, de excelente qualidade, produzidos em Portugal, com um preço justo, e inovadores. Superresistentes, confortáveis, ergonómicos, impermeáveis à chuva e ao frio, lindos, com um toque pessoal”, assim descreve o fruto do seu trabalho.

O negócio foi de vento em popa e aos modelos clássicos juntaram-se as Sandálias Inglesas, as Sabrinas, os Feijões, as Botas… Mas, lá atrás, quando Maria teve de tomar a decisão de abraçar a 100% este projeto, o que implicava recusar alguns outros de Marketing, o momento requereu audácia: “tive de me decidir se avançaria de corpo e alma para o design e produção de sapatos para miúdos ou se voltava a apostar no mercado da comunicação (o tempo já não chegava para tudo) – foi uma aposta ganha esta!”

Trocar o mais certo pelo mais arriscado é sempre um desafio, mas a capacidade de gerir e de viver com o que se tem ajudou-a a avançar. Depois, cada conquista acaba por reforçar a convicção de que o caminho se faz andando, com os ‘pés bem calçados’, literalmente! “Orgulho-me de ter conseguido estabelecer uma relação direta com o fabricante, sem intermediários, garantindo uma resposta ao nível da qualidade/preço inigualável. Todas as produções Pé de Pato são 100% portuguesas – design e materiais. É ponto de honra!”

 

Petra Alves