Quem é a mulher que revolucionou o ténis?

Suzanne Lenglen nasceu em 1899 e morreu em 1938

Se fosse viva, Suzanne Lenglen faria 117 anos. Esta é a mulher que mudou para sempre o ténis e que, por isso, foi esta terça-feira escolhida para figurar no logótipo do Google. A sua história de campeã começa aos dez anos, altura em que, com ajuda do pai, começou a praticar a modalidade, como forma de combater vários problemas de saúde.

Rapidamente se apercebeu de que tinha nascido para aquilo. Aos 15 anos, tornou-se na vencedora mais jovem de sempre de um torneio de ténis (World Hard Court Championships, em França), um título que ainda ninguém lhe conseguiu tirar. Com uma carreira que deu frutos entre 1914 e 1926 – embora, durante a Grande Guerra, todos os eventos desportivos tenham sido suspensos – Lenglen ganhou um total de 31 campeonatos, entre eles seis French Championships (o antigo Roland Garros), seis Wimbledon, em Inglaterra, ou três World Hard Court Champion.

Mais do que um “ás” em campo, Suzanne Lenglen foi uma das primeiras mulheres a tornar-se numa superestrela desportiva – a primeira do ténis. Conhecida pelos media como Divine (divina, em português), a atleta parisiense que nos intervalos dos jogos bebia brandy, em vez da tradicional água ou bebida energética, dava nas vistas com o seu cabelo curto, “à rapaz”, que segurava durante os jogos com uma fita.

Logótipo do Google esta terça-feira
Logótipo do Google esta terça-feira

“Ela quebrou barreiras através da sua forma de jogar apaixonada, da sua roupa pouco tradicional, e da sua postura contra as formalidades do desporto. Com a influência de Lenglen, o ténis ganhou a atenção que merecia e tornou-se num desporto não apenas para alguns, mas para todos”, explicou o Google, que esta terça-feira, a propósito do aniversário da atleta, criou uma animação da mesma a bater numa bola de ténis, à frente do seu logo.

“Sob estas regras absurdas, antiquadas e amadoras, só uma pessoa rica pode competir, e o facto é que é isso que acontece. É justo? Beneficia o desporto? Torna o ténis mais popular, ou suprime uma enorme quantidade de talentos?”, desafiou, a dada altura, a campeã.

Foi ela, também, a grande estrela do filme mudo ‘How I Play Tennis’ (1925), um dos primeiros educativos sobre essa modalidade, no qual Suzanne ensina a segurar as suas melhores técnicas, desde segurar a raquete a atacar a bola.

Aos 39 anos, sem que nada o fizesse prever, Suzanne Lenglen foi diagnosticada com leucemia, doença que lhe tirou a visão num espaço de três semanas. Acabou por morrer um mês depois, vítima de anemia. Hoje, serve de inspiração a estrelas como Serena Williams ou Maria Sharapova, e tem, em seu nome, um campo de ténis, um troféu e uma estátua em Roland Garros.

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

Kardashians: um império que também se faz de …