São Paulo vai ter esquadra para mulheres aberta 24 horas

Violência doméstica

A cada duas horas uma mulher morre no Brasil, vítima de violência, e uma em cada cinco brasileiras garante já ter sofrido algum tipo de agressão por parte de um homem. Números assustadores da plataforma digital Dossiê Violência Contra as Mulheres, lançada há um ano.

Este flagelo começou a ser combatido naquele país há 31 anos, com a abertura da primeira Delegacia da Mulher, uma esquadra da polícia dedicada a mulheres vítimas de violência, mas as estatísticas são pouco animadoras. Hoje são 372 as esquadras só para mulheres e todo o Brasil. Em junho de 2014, só em São Paulo, registaram-se 10 585 casos de violência sobre mulheres. No ano seguinte houve uma diminuição pouco significativa, para 9742 casos.


Leia também Violação coletiva e revenge porn num só caso de crime sexual contra menor


Michel Temer, presidente interino no Brasil, relembrou que entre 1984 e 1986, quando era Secretário de Segurança Pública, recebeu um grupo de mulheres que se queixavam da forma como eram tratadas nas esquadras. “Quando iam reclamar de agressão do companheiro ou de violência sexual recebiam tratamento inadequado, do tipo ‘quem sabe se a culpa não é sua'”, relembrou Temer.

Com o objetivo de atenuar este problema, uma das esquadras da polícia dedicada às mulheres na capital paulista vai passar a funcionar durante 24 horas por dia, sete dias por semana, já no final do mês de agosto.

É uma boa notícia para as mulheres brasileiras, mas não foi fácil de convencer o governo a avançar. A Rede Minha Sampa – uma comunidade que pretende aproximar os cidadãos das decisões que definem o rumo da cidade de São Paulo –, e o grupo Mulheres Mobilizadas tiveram de sair para a rua, organizar várias campanhas e um abaixo-assinado que, desde maio, juntou mais de 20 mil assinaturas.

Delegacia da mulher
Uma das imagens partilhada pela página de Facebook da Rede Minha Sampa para comemorar a conquista

“Apanho na sexta à noite e na segunda já perdi a coragem de denunciar”, pode ler-se num dos cartazes que as mulheres levaram para a rua em protesto. Agora querem comemorar o feito alcançado, mas prometem que não vão ficar por aqui. Para elas, uma só esquadra a funcionar a tempo inteiro não é suficiente.

“Só de janeiro a abril deste, o nosso estado [São Paulo] registou, em média, um caso de estupro por hora. Não podemos deixar que o poder público pense que uma única delegacia resolve a questão. O atendimento 24 horas nas Delegacias da Mulher de todo o estado é fundamental para combater a cultura de violência contra a mulher, punir os agressores e oferecer um suporte às vítimas no momento em que elas mais precisam”, pode ler-se na página de Facebook da Rede Minha Sampa.

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

Leonor Beleza não vai para a Caixa Geral de Depó…