Vítima de violência doméstica partilha vídeo comovente

Vítima de violência doméstica partilha vídeo comovente

Uma norte-americana, que diz ter sido vítima de violência doméstica, publicou no Facebook um vídeo comovente dela a cantar na cama do hospital. Cantora, fotógrafa e escritora, Darrian Amaker, canta sobre uma mulher “com o espírito ferido” por ter sido brutalmente agredida.


Leia também o artigo Médicos já podem denunciar casos de violência doméstica


“Poucos dias depois do Dia de Ação de Graças no ano passado, o meu Amor estava totalmente psicótico e bateu-me brutalmente durante 10 horas. Ele tinha planeado isto; era suposto eu morrer. Eu sobrevivi ou escapei, não interessa como queiram dizer, e passei quatro dias no hospital, com os olhos inchados, a perguntar-me porquê, a perguntar porquê” – escreveu Darrian na mensagem que acompanha o vídeo.

A jovem explica que o ex-companheiro foi acusado de seis crimes – mas que foi ela quem ficou com lesões graves para sempre. “Eu perguntei à minha médica a razão para eu me ver de forma diferente ao espelho, partindo do princípio que seria uma consequência psicológica desta selvajaria. Calmamente, ela explicou-me que todos os meus ossos estão macerados, têm pequenos golpes que eu não sinto – o meu rosto está diferente, está meia polegada mais largo agora.”

Hello - my name is darrian. A few days after thanksgiving this past year, my Love went straight psychotic and beat me brutally for ten hours. He had planned it out; I was supposed to die. I survived or escaped, whatever you want to call it, and spent four days in the hospital, eyes swollen shut, wondering why, wondering why. I am physically safe now; my Love-no-longer has been formally charged by a grand jury with six felonies and faces many years as a prisoner. I asked my doctor why I look different in the mirror, assuming it's a psychological consequence of savagery. Softly she remarked that all of my bones are bruised, quarter-inch ridges that I can feel - my face is different, it's one-half inch wider now. I have spent my life thus far collecting human stories: I am a singer, a photographer, a writer. I make things. I give things away. For the first time I have brushed up against an inhuman story and am deeply shaken. I don't generally record videos of myself but it was the only thing I wanted to do in the hospital. I insisted - it felt important and a small triumph to make something, salvage anything from my shipwrecked heart. Domestic violence is not a faraway issue. It affects people you know, cheerful people, people who sing, people who love. We the humans must be better, kinder, stronger. We the loving must not tolerate abuse. We the living must facilitate life.

Publicado por Darrian Amaker em Sábado, 16 de Janeiro de 2016

No vídeo, Darrian usa expressões como “ela recorda a noite em que o deixou depois de, ele bêbado, a ter atacado… Ela não olhou para trás um segundo.”

SUBSCREVER

Subscreva a newsletter e receba semanalmente todas as noticias de forma confortável

packshot_site

APP DELAS

Aceda por telemóvel, smartphone ou tablet as notícias, informações, num ambiente atrativo e intuitivo, compatível com o seu equipamento.

Appstore Googleplay

Taiwan elegeu a primeira mulher presidente