Subir

Alunos do Porto criam aplicação que ajuda pessoas com restrições alimentares

Alunos da Faculdade de Engenharia do Porto desenvolveram uma aplicação móvel que ajuda as pessoas com restrições alimentares a escolherem e a comprarem os alimentos de forma segura, alertando-as sobre os produtos que podem ser perigosos.

Esta aplicação, designada ‘NutriSafe‘, alerta os consumidores com restrições alimentares, fornecendo-lhes dados sobre a informação nutricional e os ingredientes do produto, bem como os ‘semáforos’ nutricionais (conteúdo em açúcar, sal, gordura e gordura saturada), explicou à Lusa um dos criadores, Manuel Zamith.

Link_ClooneyPara além disso, informa sobre as informações nutricionais (como “baixo valor energético” ou “alto teor de fibra”) e alerta os consumidores, de forma personalizada, caso o produto possa ser potencialmente inseguro, de acordo com as configurações do perfil de cada utilizador.

Este é um dos 20 projetos desenvolvidos por 111 estudantes da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), no âmbito da unidade curricular Laboratório de Gestão de Projetos (LGP), e que serão apresentados hoje, a partir das 14:00, durante o evento ‘LGP Challenge’, naquela instituição de ensino superior.

De acordo com Manuel Zamith, as informações são obtidas com a leitura do código de barras do produto alimentar, realizada através das câmaras dos smartphones.

Apesar de a equipa responsável pela criação desta solução ter dado “especial atenção” aos consumidores com restrições, esta aplicação destina-se a “todas as pessoas que queiram conhecer melhor os alimentos que consomem”, esclareceu.

O aluno acredita ser esse o fator diferenciador da ‘NutriSafe’, que pode ser “muito apreciada” por quem sofre de alergias, intolerâncias ou que, simplesmente, não deseja ingerir um determinado ingrediente.


Conheça as melhores dietas de 2017


No futuro, pretende-se que a aplicação seja numa ferramenta de ajuda no trabalho dos nutricionistas, podendo estes acompanhar os pacientes e garantir o seu bem-estar.

Embora existam soluções no mercado que fazem igualmente leitura do código de barras de alimentos, o aluno explicou que as funções dessas mesmas aplicações passam apenas por contar calorias ou fornecer dados ‘fitness’, ajudando os utilizadores com a dieta e um estilo de vida saudável.

“Essa não é, de todo, a intenção da NutriSafe”, indicou, acrescentando que o que se pretende é “atacar problemas de maior dimensão“, relacionados com “a saúde pública“.

No projeto que deu origem à ‘NutriSafe’ estão envolvidos, para além de Manuel Zamith, elementos da FEUP provenientes das áreas de Engenharia de Software, Multimédia, Engenharia de Serviços, Gestão, Informática e Computação, bem como da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.

Imagem de destaque: Shutterstock

Lusa