Após greves aos partos, nova associação de enfermeiros promete ainda mais luta

Tudo começou após o verão do ano passado, quando enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia paralisaram blocos de parto por todo o país, reivindicando o pagamento do seu trabalho específico e pelo qual não eram remunerados.

Agora, cerca de centena de profissionais apresenta-se, a partir deste sábado, 3 de março, como associação legalmente constituída com os propósitos de defender os direitos dos profissionais da área e da saúde da mulher, bem como promover a formação e também lutar pelas boas práticas na área da saúde materna, através da valorização destes especialistas.

Segundo o presidente da Associação Movimento Nacional de Enfermeiros Especialistas de Saúde Materna e Obstétrica, Bruno Reis, esta nova entidade mantém-se a acompanhar o trabalho de negociação dos sindicatos com o Governo sobre a remuneração dos enfermeiros especialistas, indicando ainda que, caso seja necessário, se tornarão “tão interventivos ou mais” do que foram no verão.

O Governo comprometeu-se, entretanto, com o pagamento de um subsídio de 150 euros, com retroativos a 1 de janeiro, a todos os enfermeiros especialistas. O ministro da Saúde disse esta semana no Parlamento que o diploma que institui este subsídio deveria sair em breve.

A cerimónia de apresentação público da Associação Movimento Nacional de Enfermeiros Especialistas de Saúde Materna e Obstétrica decorre este sábado à tarde, no Porto.

CB com Lusa

Imagem de destaque: Shutterstock