Subir

Bebeu um copo de vinho durante a gravidez? Não desespere!

Bebeu um copo de vinho quando estava grávida e martirizou-se por isso? Pode não haver razão para tanto. Um estudo da Universidade britânica de Bristol revela que não existem provas suficientes de que uma pequena bebida com pouco teor alcoólico seja prejudicial ao bebé.

Segundo a investigação, foram poucos os estudos sérios feitos sobre os efeitos da chamada light drinking – que os pesquisadores definem como tomar, no máximo, duas bebidas pequenas e de baixo teor alcoólicona saúde e no desenvolvimento dos bebés.

Não quer isto dizer que as grávidas devam ter ou manter os mesmos hábitos relativos ao álcool. Pelo contrário, está provado que excesso de consumo de bebidas alcoólicas na gravidez faz mal ao bebé.


A privação do álcool. Esta e outras tragédias – mas também alegrias – da gravidez contado por duas mães


O que o estudo de Bristol acaba por fazer é relativizar o impacto das recomendações de abstinência total, feitas pelos serviços de saúde às mulheres que estão grávidas, assegurando-as que mesmo que tenham bebido um copo de vinho, não existem evidências científicas de que isso afete o bebé.

“Apesar da distinção entre light drinking e abstinência ser um ponto de tensão e confusão entre os profissionais de saúde e as grávidas, tendo contribuído para um aconselhamento inconsistente, no presente e no passado, a nossa vasta pesquisa mostra que esta questão específica não tem sido estudada de forma suficientemente rigorosa”, referem os investigadores num artigo publicado no BMJ Open Journal, e citado pelo The Guardian.

Os autores do estudo referem que “uma abordagem de precaução continua a ser razoável”, mas afirmam que estas conclusões “deverão dissipar qualquer culpa e ansiedade sentida pelas mulheres que tenham tomado um copo de vinho ocasionalmente durante a gravidez”.

Mesmo com estas análises, há especialistas que continuam a recomendar a total abstinência, como é o caso de Russell Viner, professor na Royal College of Paediatrics and Child Health, ouvido pelo The Guardian, que interpreta este novo estudo de outra forma. “A pesquisa confirma que com base nas demonstrações atuais é impossível dizer o que constitui uma quantidade ‘segura’ de álcool que uma mulher pode ingerir se está a tentar engravidar ou se está grávida.” Por isso, o seu conselho para as mulheres que se encontrem nessa situação é “não beber de todo”.

Imagem de destaque: Shuttestock