Vai à praia? Tome nota deste aviso, siga estes dois conselhos e saiba como tratar

43949089_GI10062022ARTURMACHADO000011
[Fotografia: Artur Machado / Global Imagens]

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) alertou esta quinta-feira, 24 de maio, para o aumento recente de caravelas-portuguesas nas zonas costeiras dos Açores e do continente, e aconselhou cuidados e a comunicação de avistamentos. Em particular, a autoridade pede que se as pessoas as detetarem no mar ou no areal, não lhes toquem e informem quem estiver perto. As caravelas podem causar lesões severas na pele, semelhantes a queimaduras, mesmo depois de mortas.

Em caso de contacto acidental com uma caravela-portuguesa o IPMA aconselha a lavagem do local afetado com água do mar mas sem esfregar, a remoção de possíveis vestígios de tentáculos e a aplicação de compressas quentes ou vinagre, durante 20 minutos. E consultar um médico.

O número de avistamentos de caravela-portuguesa (Physalia physalis) comunicados ao programa de monitorização de organismos gelatinosos na costa portuguesa (GelAvista), do IPMA, tem vindo a aumentar ao longo da última semana, nos Açores e no continente, com casos desde Espinho até Sines, precisa o IPMA.

A caravela-portuguesa, uma colónia de organismos da classe dos hidrozoários semelhante na aparência a uma alforreca, é a espécie gelatinosa mais perigosa que surge em Portugal.

Para participar na monitorização de gelatinosos em Portugal basta enviar a informação de avistamentos através da aplicação GelAvista ou para [email protected].