Subir

Carnaval do Brasil apita contra o assédio

No calendário, os festejos de Carnaval começam no final desta semana, mas no Brasil já está tudo a postos.

Por isso, desde este sábado que alguns grupos receberam o #ApitoDeRespeito, uma campanha contra o assédio, sobretudo das mulheres, que em época de folia carnavalesca tende a aumentar.

A campanha #ApitoContraOAssédio começou o ano passado através de três amigas, depois de uma delas ter presenciado, da janela de sua casa, uma cena de assédio a uma mulher que se divertia numa festa de Carnaval na rua, em São Luiz do Paraitinga (estado de São Paulo).

Foi então sugerido às mulheres que passassem a usar um apito de cada vez que fossem vítimas de abordagens não desejadas e tentativas de assédio. O som do apito permite não apenas chamar a atenção de terceiros, caso a mulher se sinta ameaçada, como, simultaneamente, coíbe e afasta o autor – e futuros autores – do assédio.

2-organizadoras-lia-amanda-marina

Segundo as impulsionadoras da campanha, a ideia é simples: “O cara passou dos limites? Apita. Invadiu seu espaço sem ser convidado? Apita. Está-se sentindo ameaçada? Apita.”

Os blocos carnavalescos que começaram a receber apitos este sábado, receberam também balões com mensagens a incentivarem o respeito. “O carnaval é redondo, mas respeite meu quadrado” ou “Seu Respeito Me Deu Onda” são algumas das mensagens que se podem ler nos balões, como cita o site brasileiro ‘Revista Lounge’.

A iniciativa #ApitoContraOAssédio prevê distribuir, este ano, 50 mil apitos a mulheres, em blocos de Carnaval de todo o país.

 

Imagem de destaque: CP DC Press / Shutterstock, Inc.

AT