Catarina Marcelino fora da pasta da Igualdade e da remodelação governamental

Catarina Marcelino
A secretária de Estado da Igualdade vai estar à conversa com o Delas.pt na TSF.

A antiga secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Catarina Marcelino, não integra a nova composição governamental, anunciada depois da demissão de Constança Urbano de Sousa da tutela da Administração Interna e efetivada na tomada de posse dos novos titulares, este sábado.

A ex-ministra da Administração Interna foi substituída por Eduardo Cabrita, até à data ministro-Adjunto e que tinha sob a sua alçada a Secretaria para a Cidadania e a Igualdade. Pedro Siza Vieira assumiu o lugar de Eduardo Cabrita e Rosa Monteiro o de Catarina Marcelino, que não transitou para nenhum outro ministério, no âmbito desta remodelação governamental.

A Secretaria de Estado para a Cidadania e a Igualdade passa agora também a estar sob uma diferente tutela, a de Maria Manuel Leitão Marques, ministra da Presidência e da Modernização Administrativa.

A ex-secretária de Estado escreveu uma publicação na sua página do Facebook anunciando a sua saída. Na mensagem, afirma que não sai por escolha sua, mas por decisão da nova tutela.

“Não saio por vontade própria, mas porque a Ministra que vai tutelar a pasta entendeu, no seu pleno direito, escolher outra pessoa”, escreve Catarina Marcelino, agradecendo a solidariedade e o apoio público que lhe foram manifestados, pelo trabalho desenvolvido enquanto secretária de Estado.

Tenho por hábito dizer que estou de Secretária de Estado. Estamos e a qualquer momento podemos deixar de estar. Foi o…

Publicado por Catarina Marcelino em Sexta-feira, 20 de Outubro de 2017

 

A deputada socialista Isabel Moreira foi uma das figuras que elogiou a ex-secretária de Estado. “Foi a melhor representante da igualdade de que tenho memória. Em todas as áreas. Todas. Uma feminista assumida, empenhada e reconhecida por quem trabalha na área. Não percebo. Não percebo. E não estou sozinha nesta avaliação”, afirmou na sua página de Facebook, desejando depois sucesso à sua sucessora, Rosa Monteiro.

Catarina Marcelino saiu da secretaria de estado da cidadania e da igualdade. Foi a melhor representante da igualdade de…

Publicado por Isabel Moreira em Sexta-feira, 20 de Outubro de 2017

A Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres também manifestou alguma inquietação face a esta remodelação, pedindo ao governo que mantivesse o “reconhecimento político da importância do tema” e que “os direitos das mulheres permaneçam centrais, visíveis, protegidos e promovidos”, através de uma tutela própria, e que “os mecanismos para a igualdade entre mulheres e homens venham a ser reforçados”.

A organização lembra que se trata de “uma área de grande abrangência e particular complexidade pelas práticas sociais e institucionais contrárias aos direitos humanos das mulheres, estereótipos e discriminações que permanecem incrustadas no tecido social” e que, por isso, exige “uma intervenção governativa sustentada no sólido conhecimento da doutrina, dos conceitos e das práticas que melhor provaram em matéria da eliminação de todas as formas de discriminação contra as mulheres e da realização de facto da Igualdade de mulheres e homens”, refere em comunicado.