Subir

Céline Dion terá recusado cantar para Donald Trump. Mas não é a única

Segundo conta a imprensa internacional, Céline Dion terá recusado atuar na cerimónia de tomada de posse de Donald Trump, marcada para o dia 20 de janeiro. A cantora canadiana, que mantém o seu espetáculo de residência em Las Vegas, terá sido abordada por um dos amigos de Trump, gerente de um hotel nesse estado, que a terá convidado para uma atuação nesse dia.

Fica a dúvida em torno desta questão, uma vez que o homem em questão, Steve Wynn, veio frisar que não foi incumbido por Trump de recrutar artistas para a cerimónia inaugural.

Para a sua tomada de posse, Donald Trump tem apenas confirmada a atuação de um ex-concorrente do programa ‘America’s Got Talent’, Jackie Evancho. Na imprensa internacional, têm sido publicados vários artigos que falam numa “dificuldade” da equipa de Trump em contratar artistas para 20 de janeiro.

Ainda recentemente, foi anunciado que Andrea Bocelli iria atuar na cerimónia, mas tal também já não vai acontecer, talvez pelas críticas que o tenor italiano recebeu nas redes sociais.

Num comunicado, o presidente do Comité de Inauguração Presidencial, Thomas J. Barrack Jr. disse que “tanto Bocelli como a sua mulher são amigos de Trump há já alguns anos, mas [o presidente] disse que Bocelli não precisava de atuar na cerimónia”. O mesmo replicou ainda as palavras que o sucessor de Barack Obama dirigiu ao cantor: “És meu amigo e serás sempre bem-vindo à Casa Branca”.

O cantor country Garth Brooks também terá recusado atuar na tomada de posse, avançam vários meios de comunicação. O nome de Elton John chegou a ser falado para uma das atuações da cerimónia, mas o cantor britânico rapidamente negou os rumores.

Nuno Cardoso