Ciência revela o que tempo quente faz à saúde

Quando os termómetros começam a subir, todos temos a tendência de sair à rua e a diversificar as opções: ir à praia, passear no jardim, ficar numa esplanada. E o mundo até parece ganhar novas cores, uma outra perfeição.

No entanto, um estudo polaco vem agora explicar que o aumento de calor pode trazer consequências à nossa saúde mental pelas quais não esperávamos. A investigação académica revela que o clima quente deixa as pessoas mais irritadas, mais limitadas em termos de raciocínio e mais violentas. A culpa? Para lá da temperatura, o responsável por este “blues de verão” é o aumento de cortisol – a hormona essencial na resposta ao stress – no corpo.


Na galeria acima conheça os sete malefícios que o stress provoca no seu corpo


A investigação polaca, levado a cabo por Dominika Kanikowska, fisiologista da Universidade de Ciências Médicas de Poznan, foi apresentada esta semana, no encontro anual de Biologia Experimental, em San Diego, nos Estados Unidos de América e lança alguma luz sobre uma dúvida científica que prevalece há anos: a de haver uma ligação entre o calor e a violência sobre os outros e sobre si próprio.

Links_Ciencia

A equipa universitária acompanhou e estudou um mesmo grupo de estudantes femininas de Medicina, recolhendo amostras de saliva em dois dias de inverno, separados entre si, e outros dois no verão. Uma recolha feita de duas em duas horas e, em cada período, num ciclo completo de 24 horas e com o intuito de medir os níveis de cortisol e os medidores de inflamação.

Ao mesmo tempo, foi pedido à mesma amostra feminina voluntária que respondesse a perguntas sobre o estilo de vida e relativas ao sono, à dieta que cumpriam e aos níveis de exercício físico que praticavam. Questões que eram colocadas no mesmo período em que era obtido o material clínico para estudo.

Descobertas que “contradizem ideias tradicionais”

Ora, Dominika Kanikowska e a sua equipa concluíram que os níveis de cortisol são variáveis de forma sazonal, sendo mais baixos no inverno do que no verão. Concluíram também que a subida de produção da referida hormona causada pelo calor deixa as pessoas mais irritadas.

“Estas descobertas não-intuitivas contradizem as ideias tradicionais que existem e que indicam um maior esforço físico no inverno e uma vida facilitada no verão”, declarou a médica, citada pelo jornal britânico The Daily Mail.

Os dados originais que associaram calor à hostilidade vieram de estatísticas criminais. Porém, olhares mais recentes têm observado que a violência aumenta no verão, especialmente quando se trata de uma época mais quente do que a média. Até aqui, várias teorias tinham vindo a sugerir que a par da subida dos termómetros, elevavam-se também a frequência cardíaca e a testosterona. Detetavam-se ainda outras reações metabólicas que desencadeavam o sistema nervoso simpático, encaminhando, depois, as pessoas para uma maior propensão para a luta.

Esta nova descoberta vem abrir um novo caminho nas explicações científicas para o fenómeno, mas é recomendada uma maior verificação desta nova linha de análise.

Mas o que é o cortisol?

Apresentado como a hormona que responde ao stress, o cortisol é libertado na corrente sanguínea em situações difíceis ou perturbadoras. É, ao mesmo tempo, uma substância que ajuda a reduzir a inflamação, sendo vital na manutenção da saúde em geral. Sendo mais altos de manhã, estes níveis hormonais vão diminuindo ao longo do dia, permitindo depois, já à noite, um sono mais repousado.

Imagem de destaque: Shuttertsock

Luz a mais pode estar a pô-la doente. E aos seus filhos também…