Decotes vertiginosos no verão? As opções para cada corpo

pexels-rodnae-productions-8759863
[Fotografia: Rodnae Productions]

Eles estão em força, são de grandes dimensões e recorrem a múltiplas formas e feitios. Das passadeiras vermelhas à televisão e às celebridades, passando pelas propostas nas lojas, as opções para a tendência deste verão de 2022 são múltiplas e fazem sonhar. Mas nem todos se adaptam a todos os tipos de corpo, nem os favorecem.

Usar o que se gosta não é – nem pode ser – impeditivo, mas há detalhes que valorizam ou que ‘escondem’ os melhores detalhes de cada mulher. Por isso, de acordo com o stylist que já assinou os looks de múltiplas personalidades portuguesas e consultor de moda Miguel Velosa, veja quais os cortes mais e menos indicados consoante as características de cada corpo.

Para o especialista, antes de enumerar soluções, é importante olhar para os cinco tipos de corpos, conhecidos como biótipos ou silhuetas. “São as formas femininas, o tipo físico” começa por explicar ao Delas.pt, detalhando depois: “Há cinco formas e a escolha de roupas deve sempre levar em consideração a característica de cada um”.

Veja abaixo as recomendações para cada formato de corpo:

Ampulheta:

Este tipo de formato tem, como explica Velosa, “peso proporcional nos quadris, coxas e peito”. “O busto e os quadris são semelhantes em proporção, a cintura é muito estreita, e a criação de curvas é visível. Na verdade, a cintura pode medir de 20 a 30 cm a menos que o busto ou a anca”.

Por isso, os cai-cai são uma boa opção, devendo evitar-se “os decotes canoa, golas altas ou grandes”. “Neste caso, se tiver muito busto, deixarão a parte de cima do corpo a parecer imensa”, justifica.

Triângulo invertido:

“Estas mulheres caracterizam-se por um corpo com ombros largos e um busto grande. A cintura é plana e os quadris são mais estreitos que o busto e os ombros. Geralmente, têm uma parte traseira plana e pernas finas”, refere.

Por isso, sugere a aposta em “decotes em V”, com “a parte superior ajustada e a parte inferior (calças, saias, bermudas) mais solta, alargando para baixo”. Em caso de seios mais mais volumosos, Velosa recomenda “abusar de decotes generosos em V”. Lembra ainda que “vestidos de alças diminuem os ombros e dão a sensação de uma anca maior”.

De outra perspetiva, o stylist desaconselha o uso de “blusas de decotes canoas ou grandes golas, ombreiras, mangas caídas, frentes únicas e cai‐cai”.

Stylist e consultor de moda Miguel Velosa [Fotografia: DR]

Pera

Também conhecidos como corpos em forma de triângulo, estes corpos têm “quadris e coxas mais largas, mas normalmente possuem um pequeno busto e uma cintura estreita”, com alguns a caracterizaram-se também por “pernas curtas e braços esguios”.

Para o consultor de moda deve evitar-se, neste caso, “as cavas raglã ou americana, frente‐única e blusas de alças fininhas” e apostar em “decote redondo e em v”, “ombro a ombro”. Sugere ainda a quem tenha peito reduzido a trazer as peças de vestuário “até a linha do pescoço em decotes mais fechados, colarinhos, detalhes que puxem a atenção para cima” e “cai-cai se a pessoa não for muito grande”.

Retângulo

“A cintura, quadril, ombros e busto são geralmente magros e bastante semelhantes em tamanho. A cintura deve medir de 1 a 8 cm a menos do que o busto”, define Miguel Velosa. Para estes casos, o especialista recomenda “tops de corte cintado”, “uso e abuso de decotes, brincos e colares”, convocando a atenção para essa região. O stiylist especifica até que “os melhores decotes são os em formato V ou U, regatas e blusas por cima com decote até a cintura”, refere. Mas deixa um recado: “eles podem ter babados, porém não armados”.

A evitar estarão os cai-cai e os corpetes porque reforçam a ideia do “quadrado visual”.

Oval

Os “decotes grandes em V e um U (profundo, pode ter sobreposições) e longe do pescoço”, são boas opções para este tipo de corpo que se define pela falta de “cintura marcada” e mais comum “quando existe um sobrepeso”.

Miguel Velosa lembra até que quem tem este tipo de físico costuma esquecer as pernas e colo, justamente o que deveriam chamar a atenção”.