Trump vai banir transgéneros no exército dos EUA

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou esta quarta-feira, 26 de julho, que as pessoas transgénero não podem servir no exército dos Estados Unidos da América, justificando a decisão com os “custos médicos enormes” e as perturbações que tal situação envolve.

“Após ter consultado os meus generais e especialistas militares, informo que o governo dos Estados Unidos não vai aceitar ou permitir que pessoas transgénero sirvam em qualquer área do exército norte-americano“, escreveu Trump na rede social de mensagens Twitter, mais uma vez utilizada pelo chefe de Estado norte-americano para anunciar decisões da administração norte-americana.

“O nosso exército deve estar concentrado em vitórias decisivas e totais e não pode suportar o fardo de custos médicos enormes e as perturbações que implicam as pessoas transgénero no exército”, acrescentou.

Esta decisão insere-se numa vaga de pressão liderada por uma fação do Partido Republicano que pretende eliminar várias medidas que foram tomadas durante a administração de Barack Obama (democrata) a favor da comunidade de transgéneros (relativo a ou que tem uma identidade de género diferente daquela que foi atribuída à nascença), um tema que continua a ser muito controverso nos Estados Unidos.


O que está a acontecer em Portugal nesta matéria

Ética abre caminho para o terceiro sexo mas com alertas

Saiba o significado das palavras da polémica do momento


No início deste mês, o secretário da Defesa norte-americano, Jim Mattis, anunciou que ia adiar por seis meses, até 1 de janeiro de 2018, a abertura do processo de recrutamento militar para transgéneros, medida que foi decidida por Obama.

Segundo o Departamento da Defesa norte-americano, existem entre 2.500 a 7.000 pessoas transgénero na população americana militar no ativo, que ronda os 1,3 milhões de operacionais.

Imagem de destaque: Reuters