Desafio: 30 dias de sexo

Tem apenas esta noite para convencer @ [email protected] a entrar no novo jogo que está, no mínimo, a aquecer a Internet e a ferver a vida íntima de quem alinha.

O site australiano Stay at Home Mum, que se apresenta como uma plataforma de informações para mães reais, concebeu o desafio que quer aumentar a libido, a autoestima e a alegria lá em casa (percorra a galeria de imagens no topo do texto para ficar a conhecer as regras para cada dia deste desafio).

Se aceitamos ser desafiados para cumprir 30 dias sem álcool, sem açúcar ou sem café. Porque não aceitar entrar numa aventura em que o “sem” é substituído pelo “com” e com a promessa de diversão à mistura? Percorra a galeria em cima para conhecer as regras deste jogo sexual.

Se não quiser alinhar, diga logo. Não responda com desculpas esfarrapadas. Ninguém merece! Aqui ficam as dez que não pode mesmo usar.

Mas deve ou não fazer-se sexo todos os dias?

Mais a sério, são múltiplos os estudos que apontam nesta direção, mas também os há que indicam a direção contrária. Dos que advogam a primeira teoria, ouvem-se bem longe os benefícios que apregoam: felicidade, alivio da dor e produtividade.

A dopamina é um dos principais ingredientes deste bem-estar. O sexo ativa a libertação deste neurotransmissor que promove a sensação de recompensa, tal como a cafeína ou o chocolate também trazem, lembra Timothy Fong, professor associado de psiquiatria da David Geffen School of Medicine.

Há depois a sensação do alívio de dores. Portanto, se lhe dói a cabeça, o melhor mesmo é… fazer sexo. De acordo com uma análise alemã de 2013, 60% dos inquiridos que diziam sofrer de enxaquecas e 30% dos que reportavam cefaleias, garantiam a sensação de alívio após a relação sexual.


Conheça as sete razões científicas para fazer sexo todos os dias


A ler com mais cuidado e com todas as precauções para os que não têm relações duradouras, uma investigação de 2002 – levada a cabo na Universidade de Albany e que estudou 300 mulheres – concluiu que quando fazem sexo sem preservativo têm tendencialmente menos sintomas de depressão. Para os investigadores, a presença de estrogéneo e de prostaglandina no sémen, e que podem ser absorvidos, têm aquelas propriedades.

A Associação Portuguesa do Sono alertou recentemente para a importância do sexo nas noites bem dormidas, vincando que as práticas não geram efeitos iguais em homens e mulheres. O presidente daquela entidade, Joaquim Moita, contou ao Delas.pt que quem dorme melhor, tem mais apetência sexual e melhor sexo. Mas, no caso das mulheres, nem sempre ter sexo antes de dormir favorece um sono descansado. Leia em detalhe aqui.

Orgasmo é “encontro com Deus”

A religião não se demarca deste tema. O sacerdote polaco Ksawery Knotz veio defender que o sexo “é um caminho para chegar a Deus”. No livro ‘Apóstolo do Kama Sutra’, o autor defendeu que “os casais podem demonstrar o seu amor de todas as formas possíveis, incluindo o estímulo oral”.

Por ser também professor de educação sexual, Knotz – que dá aulas a casais no mosteiro de Stalowa Wola, no sul da Polónia – ensina, e consta no livro, que “todo o ato, carícia ou posição sexual que tem como objetivo a excitação do cônjuge é permitido, e agrada a Deus. Durante o sexo, o casal pode demonstrar seu amor de todas as formas possíveis, e dar um ao outro as carícias mais desejadas”, defende o sacerdote no livro. E vai mais longe, defendendo que o orgasmo é o “encontro com Deus no Céu”, crendo que “o amor de um casal, com expressão no sexo, aproxima o corpo humano do Paraíso”.

Conhecido como o apóstolo do Kama Sutra católico, o padre lembra que se o criador permitiu que os casais sentissem prazer físico e espiritual, então tal seria uma herança que deveria ser respeitada e promovida. Estes e outros ensinamentos sobre família, amor e sexo podem ser encontrados no site da sua autoria – apenas em polaco – e que pode consultar a partir daqui.

Sexo uma vez por semana chega?

Apesar de a prática frequente de relações sexuais estar associada a maior boa disposição, a ligação parece não ficar reforçada se a base com que se parte é a de ter sexo uma vez por semana.

De acordo com o estudo levado a cabo junto de 30 mil americanos ao longo de quatro décadas, “é importante manter uma conexão íntima com o parceiro, mas para que tal aconteça não é preciso fazer sexo todos os dias”, diz a coordenadora da investigação Amy Muise, psicóloga social e pós doutorada da Universidade de Toronto-Misissauga. A análise focou-se sobretudo em casamentos heterossexuais e relações duradouras.

Num outro estudo bianual liderado pela Universidade de Chicago – e mais amplo do que apenas sobre sexo -, homens e mulheres falam em estilo de vida mais feliz quando o sexo é frequente, mas reportam a existência de uma média semanal. Esta investigação, conhecida pelo General Social Survey (1989 to 2012) passou pelo acompanhamento de 25 mil americanos. Curiosamente, esta mesma investigação veio deitar por terra estereótipos como os homens gostam de fazer mais sexo do que as mulheres e que os mais velhos têm menos relações sexuais.


E o que dizem as celebridades sobre o sexo diário? Salma Hayek diz que perde o encanto

Imagem de destaque: Shutterstock