Dores menstruais são mais fortes no inverno? Estudo diz que sim e aponta três razões

pexels-polina-zimmerman-3958577(1)
[Fotografia: Pexels/Polina Zimmerman]

A menstruação está longe de ser um processo padronizado mensalmente em qualquer mulher, ou seja, nem sempre é igual. E, à margem de doenças que devem ser diagnosticadas, não faltam fatores internos e externos a fazer variar e disparar dores, fluxo e até duração, mas agora há um que ganha especial dimensão: o inverno.

Segundo um estudo levado a cabo pela marca sueca Intimina e que auscultou mais de cinco mil mulheres (5083) com idades entre os 18 e os 45 anos em Espanha, França, Itália, Reino Unido e Estados Unidos da América, quase um terço (30%) diz sentir dores menstruais mais fortes no inverno. De acordo com a análise publicada em dezembro de 2022, existem mais alterações reportadas em tempo frio e, entre elas, quase duas em cada dez (17%) reporta ciclo mais irregular e 14% fala em período mais longo.

Menstruações que chegam com sintomas mais agudos e, claro, mais dores, mas também mais efeitos laterais como inchaço (para 59% das inquiridas), dores de cabeça (45%), ansiedade (40%), náuseas (35%) e pele sensível (23%).

Existem dados interessantes sobre como as estações do ano podem afetar o ciclo menstrual. A investigação mostrou como várias mulheres sentem que a menstruação é mais dolorosa e a duração do ciclo muda durante os meses de inverno. Existem diferentes teorias que explicam tal ocorrência. Uma indica que o clima frio leva à constrição dos vasos sanguíneos, o que pode aumentar a dor”, aponta a ginecologista Susanna Unsworth citada no estudo. “Outro fator diz respeito ao facto de que no inverno é-se menos ativa e consome-se mais tempo dentro de casa, o que pode levar a uma redução do humor e uma crescente perceção da dor”, acrescenta a especialista.

Um fator a que se pode juntar o facto de haver menos sol, retardando a produção de hormonas que se relacionam com o ciclo menstrual, o que pode levar a “ovulação menos regular e maior duração do ciclo”, acrescenta a especialista citada pelo mesmo site.