Subir

Havaianas em exposição no MUDE

Havaianas no Mude

A mais célebre insígnia de chinelos do planeta, a Havaianas, vê agora as suas peças expostas num museu, mais concretamente, na nova exposição do MUDE (Museu do Design e da Moda) – ‘Como se Pronuncia Design em Português: Brasil Hoje’ – que pode ser visitada até 31 de dezembro, no Palácio Calheta, em Belém.

Realizada em parceria com a Universidade de Lisboa, esta é a segunda mostra da programação desenhada pelo MUDE para Lisboa, a Capital Ibero-Americana da Cultura. O propósito central da iniciativa é “refletir sobre o design desenhado e produzido nos países ibero-americanos, perscrutando o seu real contributo na construção de um mundo verdadeiramente global e de uma sociedade mais equilibrada e humanista”, lê-se em comunicado.

“Portugueses e brasileiros partilham a mesma língua e a mesma palavra estrangeira: design”, frisa o curador da exposição Frederico Duarte, em comunicado. “O sotaque pode mudar mas esta palavra, pronunciada dos dois lados do Atlântico sem ser traduzida, tem hoje muitas declinações e múltiplas interpretações.”, acrescenta o responsável.

Nesta exposição, a Havaianas tem a oportunidade de expor ao público o processo de criação das suas peças: os desenhos, os moldes 3D, os protótipos, os materiais usados, e ainda algumas imagens do fabrico dos produtos. “Queríamos que a nossa peça apresentasse os bastidores da marca Havaianas, tanto em termos de produto como de marca”, explica Ana Roveri, da equipa de inovação da Alpargatas, grupo detentor da insígnia brasileira.

A responsável garante que o sucesso da marca se deve ao processo manual a que todas as peças são sujeitas e admite estarem orgulhosos de serem vistos como “uma referência para o design brasileiro”.

Podem ainda encontrar-se serviços, produtos e propostas que sobre a realidade política, económica e social de cada país e região, bem como da vida concreta das pessoas e “das consequências e paradoxos do modelo de desenvolvimento ocidental”.

Imagem de destaque: MUDE/Luisa Ferreira


Veja mais:

Ricardo Negro: “No Brasil, temos de aprender a transformar a nossa realidade”

Marta Lima: “Trabalhar nas Havaianas não é só carnaval”