Subir

Conheça a Portuguesa que quer lutar contra o “terrorismo internacional”

Diplomata de carreira, licenciada em Direito pela Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica de Lisboa, com pós-graduação em Estudos Europeus da mesma Universidade, Graça Mira Gomes será a próxima secretária-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa, tomando posse segunda-feira, dia 6 de novembro. Segundo o Governo a diplomata, “possui larga experiência em questões relacionadas com a política externa e de segurança e defesa”.

Casada e com dois filhos, Maria da Graça exerceu até agora as funções de embaixadora portuguesa junto da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) desde Agosto de 2015. Nessa qualidade, em 2016 presidiu ao Fórum para a Cooperação na Segurança e à Comissão Consultiva do Tratado “Open Skies”.

Entrou no ano de 1984 Ministério dos Negócios Estrangeiros onde desempenhou vários cargos. De 1996 a 2000 foi Correspondente Europeia Adjunta e Chefe de Gabinete do Director-Geral de Política Externa. Durante um ano, de 2009 a 2010, ocupou a função de Subdirectora-Geral de Política Externa. Foi ainda Conselheira para a Igualdade, em representação do MNE.

A sua primeira colocação no serviços Externos foi de 1989 a 1993, na Representação de Portugal junto das Comunidades Europeias, em Bruxelas. Foi Vice-Chefe da Base Principal do Grupo de Ligação Luso Chinês, em Macau (1993/1996), Representante Permanente Adjunta na Missão de Portugal junto da OCDE, em Paris (2000/2005), e Ministra Conselheira na Embaixada em Berlim (2005/2008). Entre Março de 2011 e Agosto de 2015 foi Representante Permanente de Portugal junto do Comité Político e de Segurança da União Europeia, em Bruxelas.

links_NutricionistaA nova secretária-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP) toma posse na segunda-feira, pelas 15:30h numa cerimónia que decorrerá na residência oficial do líder do executivo, em São Bento, disse fonte do Governo à Lusa.

No parlamento, Graça Mira Gomes admitiu que Portugal “não está imune a atos terroristas” e definiu como uma das suas prioridades a “luta contra o terrorismo internacional”.

O primeiro-ministro nomeou Maria da Graça Mira Gomes para o cargo de secretária-geral do SIRP em 04 de setembro, funções que desde 2005 eram desempenhadas por Júlio Pereira. Na sequência da nomeação de Maria da Graça Mira Gomes, o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou que essa escolha do primeiro-ministro “não teve o respaldo” dos sociais-democratas. Pedro Passos Coelho lamentou então que se tivesse “quebrado o consenso tradicional” entre as maiores forças políticas nacionais na escolha da personalidade que deverá liderar as “secretas”.

MBP com Lusa

Imagem de destaque: Shutterstock

Uma mulher à frente das secretas portuguesas