Subir

Grammy de rosas brancas pelo #MeToo e Time’s Up e contra Trump

Se nos Globos de Ouro dominaram os vestidos pretos em solidariedade com o movimento #MeToo, na cerimónia dos Grammy foram as rosas brancas que sobressaíram, assim como as cantoras Janelle Monae e Kesha, esta última com a canção Praying, tornada num testemunho contra um produtor que ela acusou de a ter violado.

Estes foram vários momentos da cerimónia de quatro horas em que os movimentos #MeToo e #TimesUp, contra as agressões sexuais a mulheres e pela igualdade, voltaram a marcar os discursos. Uma gala – que se realiza nos EUA e que celebra a música – à qual nem Hillary Cinton faltou.


Recorde os discursos feministas que marcaram os Globos de Ouro de 2018


A opositora de Trump nas presidenciais fez uma aparição surpresa, lendo um trecho do polémico livro sobre o Presidente dos Estados Unidos, Fire and Fury: Inside the Trump White House [“Fogo e Fúria”].

Vozes contra política de imigração de Trump e massacre de Las Vegas

A crítica ao Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em relação à política de imigração, também ganhou destaque. A “porta-voz” foi a cantora cubana-mexicana Camila Cabello, que defendeu os “sonhadores”, cerca de 800 mil imigrantes que entraram ainda crianças ilegalmente no país e que Trump quer expulsar.

Na cerimónia, três artistas que atuaram no festival de música country, em Las Vegas, que se tornou no ano passado o local do maior massacre na história moderna dos Estados Unidos, homenagearam os cerca de 60 mortos.

Brruno Mars e Lamar lideraram prémios

O cantor Bruno Mars e o ‘rapper’ Kendrick Lamar foram os grandes vencedores da 60.ª edição dos prémios Grammy, com o primeiro a conquistar seis e o segundo cinco galardões. Bruno Mars ganhou em todas as categorias em que estava nomeado, incluindo Álbum do Ano, 24K Magic, e Melhor Canção do Ano, That’s What I Like, na cerimónia dos prémios atribuídos pela indústria musical dos Estados Unidos, entregues no domingo, em Nova Iorque. “Pai, se estás a ver isto, eu amo-te. Isto é para os fãs”, afirmou o cantor.

Kendrick Lamar conquistou cinco prémios, incluindo o Grammy para o Melhor Álbum Rap, com “DAMN.” e a Melhor Performance Rap. “Isto é especial. Há muita gente aqui de quem em gosto”, afirmou Lamar, nomeando Jay-Z, Nas and Diddy como inspirações.

Mas o ‘rapper’ Jay-Z, que liderava as nomeações, oito no total, não recebeu qualquer prémio, um ano depois de a mulher perder o prémio de Álbum do Ano para Adele, originando críticas por o trabalho “Lemonade”, de Beyoncé, não ter sido recompensado.

O cantor Leonard Cohen, que nunca ganhou um Grammy enquanto foi vivo, foi distinguido, a título póstumo, com o prémio para a Melhor Atuação Rock, com a música You Want it Darker, na qual dizia estar pronto para morrer. O seu álbum, que mantém o mesmo nome, foi lançado três semanas antes da morte do cantor, que faleceu em novembro de 2016, aos 82 anos. Também a atriz Carrie Fisher, uma das protagonistas da Guerra das Estrelas, recebeu, a título póstumo, o prémio para o Melhor Álbum Falado, com The Princess Diarist, a versão áudio da sua autobiografia.

Veja a lista integral dos vencedores da noite abaixo:

Álbum do ano: “24K Magic”, Bruno Mars.

Gravação do ano: “24K Magic”, Bruno Mars.

Melhor canção do ano: “That’s What I Like”, Bruno Mars.

Revelação do ano: Alessia Cara.

Melhor performance solo pop: “Shape of You”, Ed Sheeran.

Melhor performance

duo ou grupo pop: “Feel It Still”, Portugal. The Man.

Melhor álbum pop tradicional: “Tony Bennett Celebrates 90”, vários artistas

Melhor álbum pop: “Divide”, Ed Sheeran.

Melhor álbum rock: “A Deeper Understanding”, The War on Drugs

Melhor álbum de música alternativa: “Sleep Well Beast,” The National.

Melhor álbum rap: “DAMN.”, Kendrick Lamar.

Melhor canção rap: “HUMBLE.”, Kendrick Lamar.

Melhor performance rap: Kendrick Lamar.

Melhor álbum urbano contemporâneo: “”Starboy”, The Weeknd.

Melhor álbum R&B: “24K Magic,” Bruno Mars.

Melhor performance R&B: Bruno Mars.

Melhor canção R&B: “That’s What I Like,” Bruno Mars.

Melhor álbum de dança eletrónica: “3-D The Catalogue”.

Melhor álbum country: “From A Room: Volume 1”, Chris Stapleton.

Melhor álbum jazz vocal: “Dreams And Daggers”, Cecile McLorin Salvant.

Melhor álbum jazz instrumental: “Rebirth”, Billy Childs.

Melhor compilação de banda sonora para visual media: “La La Land.”

Melhor vídeo de música: “HUMBLE.,” Kendrick Lamar

CB com Lusa

Imagem de destaque: Lucas Jackson/Reuters