Subir

Greve dos miúdos aos exames do segundo ano

No Reino Unido decorrem hoje os exames do 2º e 5º ano e os pais estão a boicotar a avaliação. O apelo à greve dos miúdos foi feito por um grupo de pais que se organizaram em torno da frase “Deixem os miúdos ser miúdos” e propõem que as crianças de 7 e 11 anos fiquem neste dia em causa, de acordo com o jornal The Guardian.

Não é que os pais se oponham à realização de exames, mas sim às alterações introduzidas este ano nos exames dos primeiros ciclos, pelo governo conservador de David Cameron. Os trabalhistas, mais à esquerda, estão do lado dos pais e Lucy Powel (que tem os assuntos da educação na oposição) chegou a afirmar que não houve um dia que não tenha saído um documento de alteração sobre os exames, desde que o ano letivo começou.

A confusão aumentou depois de serem tornados públicos os testes de gramática e de ortografia, fazendo com que o ministro da educação Nicky Morgan viesse pedir desculpa. No entanto, afirmou que os testes servem para elevar os níveis de exigência e identificar precocemente as crianças com dificuldades.

Do lado dos pais estão também os professores. Os sindicatos dizem estes exames servem apenas para desviar a atenção das crianças da disciplinas não avaliadas como a música e as artes plásticas. Já a Associação Nacional de Diretores Escolares afirma que é preciso rever estas provas e acrescenta:

“Se os diretores das escolas, os professores e os pais estão todos a dizer que há qualquer coisa errada com os exames de aferição este ano, o governo deveria ouvir-nos.”

A greve dos miúdos, kids strike em inglês, foi apresentada ontem formalmente pelo grupo Parents Defending Education.

CM