Historiadora Bettany Hughes vence Prémio Europeu Helena Vaz da Silva

Fotografia: Wikimedia Commons

A historiadora britânica Bettany Hughes é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018, instituído pelo Centro Nacional de Cultura (CNC), com a Europa Nostra.

A escolha da historiadora britânica “tem por objetivo homenagear a personalidade excecional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante”, e tem em conta a necessidade “vital de construir uma visão da nossa identidade multifacetada”, numa era de nacionalismos e populismos, como se lê na declaração do júri, publicada no ‘site’ do CNC.

“Bettany Hughes conta histórias do passado que atravessaram milénios, mantendo o seu significado nos dias de hoje”, lê-se na declaração da presidente do CNC, Maria Calado, feita em nome do júri. “Na sociedade atual, a influência do nacionalismo e do populismo parecem crescer facilmente, tornando-se vital construir uma visão da nossa identidade multifacetada e abrir as portas para a rica herança de que beneficiamos”.

O Prémio Europeu Helena Vaz da Silva foi instituído em 2013 pelo CNC, em cooperação com a Europa Nostra, organização europeia de defesa do património que o CNC representa em Portugal, e o Clube Português de Imprensa, para contribuições excecionais para a proteção e divulgação do património cultural e dos ideais europeus.

O prémio conta com o apoio do Ministério da Cultura, da Fundação Calouste Gulbenkian e do Turismo de Portugal.

No comunicado sobre a atribuição do prémio, Bettany Hughes reconhece-se “muito emocionada com a decisão do júri”.

“Sinto-me verdadeiramente honrada, tanto pela escolha como pela associação ao nome de Helena Vaz da Silva. Este prémio inspira-me a redobrar os meus esforços no sentido de apoiar, celebrar e salvar o património da Europa”, disse Bettany Hughes, lê-se na página do CNC.

Membro da Universidade de Oxford, investigadora especializada na História e a Cultura da Antiguidade e da Idade Média, Bettany Hughes é também responsável por programas de televisão e de rádio, há cerca de 25 anos, tendo igualmente chamado a atenção para a posição das mulheres na sociedade, tanto no passado como no presente.

Foi professora em Cambridge, Cornell, Bristol, Maastricht, Utrecht e Manchester, é tutora do Institute of Continuing Education da Universidade de Cambridge e Research Fellow do King’s College de Londres, devendo este ano juntar-se ao New College of the Humanities como professora visitante.

O seu primeiro livro, “Helena de Troia: Deusa, Princesa, Prostituta” está publicado em Portugal (Alêtheia, 2008).

“The Hemlock Cup: Socrates, Athens and the Search for the Good Life” (2010) fez parte da lista de ‘bestsellers’ do jornal The New York Times e finalista dos prémios da associação norte-americana de escritores (Writers Guild Award).

Escreveu e apresentou mais de 50 programas de divulgação, em canais de rádio e televisão, para a BBC, ITV, Channel 4, Discovery, Canal História, National Geographic e para o sistema de televisão pública dos Estados Unidos, PBS.

O Prémio Europeu Helena Vaz da Silva (1939-2002) recorda a jornalista portuguesa, escritora, ativista cultural e política, “e a sua notável contribuição para a divulgação do património cultural e dos ideais europeus”, como recorda o CNC.

Todos os anos é atribuído anualmente a um cidadão europeu que se tenha “distinguido pela difusão, defesa, e promoção do património cultural da Europa, quer através de obras literárias e musicais, quer através de reportagens, artigos, crónicas, fotografias, cartoons, documentários, filmes de ficção e programas de rádio ou televisão”.

O escritor italiano Claudio Magris foi o primeiro laureado do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva em 2013.

Seguiram-se o escritor turco e Nobel da Literatura Orhan Pamuk, em 2014, o músico catalão Jordi Savall, em 2015, o cartoonista francês Jean Plantureux, conhecido como Plantu, e o ensaísta português Eduardo Lourenço, ‘ex aequo’, em 2016, e o cineasta Wim Wenders em 2017.

A cerimónia de entrega do prémio terá lugar no dia 15 de novembro 2018 na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

 

Imagem de destaque:Wikimedia Commons