Livro: “É importante que as meninas vejam modelos femininos”

Depois do primeiro livro Histórias de Adormecer para Raparigas Rebeldes, a escritora e enceradora Francesca Cavallo e a jornalista Elena Favilli voltam com um segundo volume. Com mais cem novas histórias de vida de mulheres que deixam no mundo uma marca de coragem, o livro pretende inspirar as meninas de hoje, levando-as a acreditar e a lutar nos direitos e oportunidades do sexo feminino.

Em entrevista ao Delas.pt, as autoras contaram como e porque surgiu este projeto, abordaram a importância de trazer histórias reais a meninas reais e de mostrar que nem todas as histórias têm um final feliz.

Da esquerda para a direita: Elena Favilli, jornalista e empreendedora na área da comunicação social; Francesca Cavallo, escritora e encenadora. [Fotografia: DR]
Porquê criar um livro de histórias de mulheres para futuras mulheres?

Nos últimos cinco anos temos trabalhado no espaço dos media infantil, o que permitiu testemunhar como os estereótipos de género ainda estão presentes em livros para crianças de todas as idades. Por isso, decidimos criar este livro. É importante que as meninas vejam modelos femininos. Isso pode ajudá-las a tornarem-se mais confiantes e a estabelecerem metas maiores para si mesmas. Nós estamos no início dos 30 anos, somos mulheres empreendedoras e sabemos em primeira mão como é difícil ter sucesso, ser reconhecida e ter uma oportunidade. Queríamos apresentar mulheres de diversos países, porque as produções dos media infantil não apenas carecem de diversidade em termos de género, como também em termos de raça, orientação sexual e religião… Também queríamos mostrar mulheres das mais variadas áreas, dando a conhecer tantas carreiras diferentes quanto possível. Queríamos ter trombonistas, biólogas marinhas, juízas, presidentes, chefes, surfistas, poetas, cantores de rock, e por aí.

“Nem todas as histórias têm um final feliz. Esse é um aspeto muitas vezes esquecido nos contos de fadas tradicionais”, Francesca Cavallo e Elena Favilli

Além de quebrarem estereótipos, as histórias para adormecer raparigas rebeldes mostram que, por vezes, nem tudo corre bem.

Nem todas as histórias têm um final feliz. Esse é um aspeto muitas vezes esquecido nos contos de fadas tradicionais. As crianças às vezes têm pensamentos sombrios, às vezes têm más experiências e ler sobre experiências ruins de outras pessoas – desde que sejam trabalhadas com atenção pelo nível de compreensão – realmente ajuda a fazer com que se sintam menos sozinhas e a dá-lhes esperança.

Quão importante é contar histórias baseadas em histórias reais?

Aqui está um grande exemplo que mostra o poder de histórias reais: Uma mãe do Sri Lanka, a morar na Austrália, ficou preocupada com a filha depois de ser informada, na escola, que ela não podia ser Elsa porque ela não era branca. Vítima de racismo, a menina deixou de comer gelado de chocolate, com medo que isso a deixasse mais castanha. Com a história de Alek Wek, o modelo sudanês, que vem no nosso primeiro livro, ela percebeu que podia comer o que quisesse. Então começou a comer outra vez gelado de chocolate, graças ao nosso livro!

“Sentimos que o mundo precisa de livros que convidem as mulheres a serem elas mesmas, mesmo quando isso significa não ser agradável”, Francesca Cavallo e Elena Favilli

O livro é destinado a meninas rebeldes e baseado em histórias de mulheres rebeldes. O termo ‘rebelde’ pode aqui ser interpretado de maneira positiva?

As mulheres são solicitadas, o tempo todo, a promover harmonia e paz, mesmo quando são vítimas ou veem os seus direitos básicos serem negados. Sentimos que o mundo não precisa de mais livros que convidem as mulheres a evitar desentendimentos, precisa sim de livros que convidem as mulheres a serem elas mesmas, mesmo quando isso significa não ser agradável. É por isso que usamos a palavra ‘rebelde’ no título.

No livro também se referem ao sexo masculino, aos meninos e homens adultos que apoiam mulheres rebeldes. Quão importante é esse suporte?

Acreditamos ser extremamente importante que os pais apoiem a luta pela igualdade de géneros, não porque ‘têm uma filha’, mas porque é a coisa certa a fazer. Pode parecer uma distinção trivial, mas faz uma grande diferença na forma como as crianças estabelecem o sentido de valor próprio e a maneira como percebem os outros.

Primeiro e segundo livro ‘Histórias de Adormecer para Raparigas Rebeldes’, de Francesca Cavallo e Elena Favilli, €18,80 (cada unidade)

E porquê fazer um segundo livro?

Não sabíamos que íamos ter um segundo livro. Começaram a surgir pedidos permanentes dos nossos leitores e não quisemos desapontá-los! Recebemos muitas sugestões, muitas delas vindas das mulheres incluídas neste ‘Histórias de Adormecer para Raparigas Rebeldes 2’ e que chegam agora ao público global. É por isso que este livro é ainda mais diversificado e internacional do que o primeiro!

[Imagem de destaque: Shutterstock]

Como ajudar um adolescente que não larga o computador ou o tablet?

Escola: Especialistas indicam como salvar o ano letivo