Subir

Hugh Hefner, feminismo e o balde de água fria que apanhou nos anos 70

a carregar vídeo

Hugh Hefner, feminismo e o balde de água fria que apanhou nos anos 70

PUB

“No dia em que quiser vir para aqui com uma cauda de coelho atada ao rabo podemos falar de igualdade”. Susan Brownmiller rematou assim os argumentos que usara para desfazer o discurso do Hugh Hefner no Dick Cavet Show, que passava em todas as televisões norte-americanas ao serão, em 1970. Antes, Brownmiller já tinha exposto:

“O papel que [Hugh Hefner] escolheu para as mulheres é degradante, porque escolhe ver as mulheres como objetos sexuais e não como seres humanos.”

Hugh Hefner, o fundador da revista Playboy ontem desaparecido, sentou-se estúdio do programa de maior audiência dos Estados Unidos sem fazer ideia de quem iria encontrar. O tratamento que escolhe inicialmente para se referir às feministas Susan Brownmiller e Sally Kempton, em estúdio, é “girls” (“miúdas”) e o tiro não lhe podia ter saído mais pela culatra. Perante os argumentos das duas ativista, Hefner em breve fica sem palavras.

a carregar vídeo

O momento foi recordado pela CNN, recentemente, e Brownmiller ao ver as filmagens de então regozija! Começava ali uma carreira pública de defesa dos direitos das mulheres junto de um público mais alargado que a considerava importante, pertinente e divertida.

No programa, Susan Brownmiller fala sobretudo da condição degradante das mulheres que trabalham para a Playboy na revista e nos clubes da marca, só para cliente masculinos, mas a sua carreira destacar-se-á pelo pensamento que produz. No livro revolucionário ‘Contra a nossa vontade’, expõe ao mundo a realidade da violação dentro do casamento que, à época, era legal. Depois do escândalo desta revelação, o direito civil é mudado em cada estado e a violação é criminalizada, em qualquer circunstância.