Subir

Incêndios comprometeram as termas e as águas?

Os incêndios massacraram – e chegaram a matar – a zona Centro, neste verão. Meses depois desta tragédia, fazer a A23 ate à Guarda é, durante quilómetros sem fim, ver encostas povoadas de ‘esqueletos’ de árvores tingidas a cinzento-escuro. Um cenário de tristeza.

Numa altura em que as Termas do Centro promovem uma programação especial de regresso ao turismo da saúde, é preciso saber que consequências tiveram ou podem vir a ter os fogos intensos para os programas de natureza promovidos pelas estâncias e para a qualidade das águas.

“Importa salientar é que a situação não é evidentemente boa, mas especialmente para quem ali vive e principalmente para quem depende diretamente da floresta ou foi afetado diretamente pelo mesmo”, começa por explicar ao Delas.pt Cátia Marques.


Pedrógão Grande: os custos de quem nada tem


A responsável de programação das Termas do Centro desvaloriza qualquer correlação entre os incêndios e a qualidade da água termal: “A questão não se coloca, pois a mesma água compreende ciclos de vida de milhares de anos.”

Marques frisa, contudo, que “a maior preocupação prende-se com a solidariedade que, obviamente, enquanto cidadãos é devida”.


Releia a visita do Delas.pt às Termas do Cró


A responsável crê que “a frequência das estâncias que o projeto Termas Centro representa pode, também, ser uma ótima forma de ajudar as populações locais e de dinamizar a economia e valorizar o que de bom elas têm”.

Imagem de destaque: DR