Inflação rosa. Roupas aumentaram mais para as mulheres do que para os homens

pexels-sam-lion-5709661
[Fotografia: Pexels]

Para lá da subida de preços em toda a linha – dos alimentos aos materiais escolares – também a roupa reflete os novos preços, porém, a velocidades diferentes. As peças de vestuário para mulheres aumentaram mais últimos 20 anos do que as dos homens, segundo um estudo elaborado pelo comparador de preços Comparatis, levando ao conceito de ‘taxa rosa’ ou na expressão original em inglês, pinkflation.

Olhando ao detalhe os dados, o vestuário feminino aumentou em média 6,51% nas últimas décadas o que compara com 0,3% para os homens. Uma disparidade dificil de justificar uma vez que a roupa para ambos é feita tendencialmente dos mesmos materiais, nas mesmas fábricas e em linhas e montagem semelhantes, com iguais custos de distribuição.

Tudo isto sem considerar que a oferta para as mulheres é bem mais ampla, fazendo antecipar queque uma maior concorrência entre marcas poderia levar a um decréscimo dos preços, e que elas ganham em média salários mais baixos do que os homens. “De um ponto de vista competitivo, não há uma razão aparente para que a moda feminina se tenha tornado mais cara, não sendo caso para as roupas para homem e crianças”, nota o especialista em consumo da plataforma comparativa de preços Michael Kuhn.

As clientes do sexo feminino reagem de forma menos elástica aos aumentos de preços dos artigos de moda”, referem os especialistas do estudo citados pelo jornal suíço NZZ am Sonntag.

Os homens “parecem estar mais disponíveis para, às vezes, desistir ou mudar para um produto mais barato quando uma peça de roupa aumenta de preço. Este é o comportamento que, pelo menos, os produtores temem”, referem os mesmos analistas citados pela publicação. Inflação rosa. Roupas das mulheres aumentaram mais que as dos homens