#Powerwoman: Portuguesa cria novo teste para detetar alergias alimentares

Fotografia: Shutterstock

A investigadora portuguesa Alexandra Santos é a responsável por um estudo, da universidade britânica King’s College, que descobriu uma maneira mais eficaz de detetar a alergia a frutos secos, como amendoins, noticia a BBC.

Alexandra Santos é médica, investigadora e docente na universidade King’s College, em Inglaterra [DR]
A equipa da médica e investigadora do Departamento de Alergias Pediátricas, da universidade, desenvolveu um novo teste sanguíneo que permite aferir com maior eficácia as alergias alimentares que até à data são detetadas através de testes que consistem numa picada no dedo, ou no braço, e que colocam as pequenas gotas de sangue em contacto com as substâncias potencialmente alérgicas.

Segundo os investigadores, esses testes são muitas vezes inconclusivos, dando positivo para alergias que as pessoas nem sempre têm. Além disso, a nova análise proposta pelo grupo liderado pela investigadora permite evitar os testes mais complexos que envolvem o consumo de frutos secos e monitorização da sua ingestão em contexto controlado por especialistas para observar e controlar as reações do paciente.

Estes testes “requerem acesso a instalações médicas sofisticadas, necessárias para se efetuar o tratamento das reações alérgicas que podem vir a desenvolver-se, o que pode ser muito caro”, afirmou a Alexandra Santos à BBC.

O “novo teste”, continuou a investigadora, “é específico na confirmação do diagnóstico”. “Por isso quando é positivo, podemos estar seguros de que significa mesmo uma alergia”, sublinhou.

Segundo a investigadora, que conduziu o estudo com 174 crianças, com idades dos seis meses aos 17 anos, e em que 73 eram alérgicas a amendoins, o novo teste poderá permitir a redução em “dois terços do número de despesas e stress” relacionados com os testes de ingestão oral, bem como “evitar as crianças de experienciarem reações alérgicas”.

O teste que foi inicialmente concebido para detetar alergias a amendoins pode ser adaptado a outras alergias alimentares.