Iranianas deixam de ser presas por não usar véu

Fotografia: Shutterstock

As mulheres iranianas já não vão ser presas por não usarem hijab, o véu islâmico.

A polícia de Teerão, capital do Irão, anunciou, no final da semana passada, que vai deixar de abrir processos judiciais e prender em centros de detenção aqueles não respeitarem o código de vestuário, segundo noticiaram os media locais.

As mulheres que não usarem corretamente o hijab, em público, deixam assim de ser detidas, mas continuam a ser penalizadas. As detenções são substituídas por multas e as mulheres são obrigadas a frequentar aulas de educação islâmica.

Esta alteração nas medidas da polícia que zela pela moral e pelos costumes islâmicos acontece numa altura em que o país enfrenta violentos protestos nas ruas contra o governo de Hassan Rohani. As manifestações começaram a 28 de dezembro e desde então já provocaram mais de 20 mortos, na maioria manifestantes, e centenas de detenções.

Acabaram-se as prisões mas ainda não é o cair do véu

Aquilo que é visto por muitos como um sinal de abertura do governo iraniano para as reivindicações antigas das mulheres, numa altura de contestação generalizada, ainda é pouco para os ativistas que contestam o uso obrigatório do véu islâmico.

Para a ativista iraniana Masih Alinejad, fundadora do movimento My Stealthy Freedom, apesar de o recente alívio nas medidas de repressão das mulheres por questões de vestuário ser um passo para a liberdade das mulheres, é sobretudo uma forma de o governo “evitar uma solução real” para o rígido controlo que ainda existe no país.

“Isto é uma pequena vitória, contudo uma vitória ainda assim. Mas a verdadeira vitória só chegará quando for abolido o uso obrigatório do hijab” escreveu na sua página de Instagram.

Em 2014, Masih Alinejad criou a plataforma online My Stealthy Freedom, um movimento social em rede, com site e página no Facebook, e cujo objetivo é acabar com o uso obrigatório do hijab (véu que as muçulmanas usam para cobrir os cabelos e o pescoço) e dar liberdade de escolha às mulheres, em países como o Irão. Através desse movimento, são denunciadas as leis que obrigam mulheres e meninas a seguir esse código de vestuário, mas também reveladas iniciativas que desafiam essa forma de opressão, como a #WhiteWednesday em que as mulheres usam um hijab branco e os homens que se quiserem solidarizar são convidados a vestir-se da mesma cor.

Na última iniciativa do género, ocorrida na semana passada ficou célebre a imagem de uma mulher que usou o véu num pau, recriando uma bandeira, em vez de usar para cobrir os cabelos, como é hábito.

اين دختر بجنوردي شال سفيد دختر روي سكوي خيابان انقلاب را به خيابان هاي شهرش برده و نوشته دختر خيابان انقلاب را با شال برافراشته اش تكثير مي كنيم. چون كاري كه او كرد اعلام نارضايتي اش بود به شيوه اي مدني و مسالمت آميز. درست شبيه به كاري كه اين روزها مردم سراسر ايران دارند انجام مي دهند. بيانِ نارضايتي و اعتراض شان به وضعيت موجود. امتداد صداي هم باشيم حتي اگر بگويند هيسسسس الان وقتش نيست. زنان اين روزها شانه به شانه ي مردان ايستاده اند و شجاعانه عليه ظلم فرياد مي زنند. هيچ وقت فريب كساني را نخوريم كه ميان زنان و مردان جدايي مي اندازند و هيس هيس مي كنند. نبايد اين زن را تنها بگذاريم و نسبت به وضعيتش بي تفاوت باشيم. هميشه وقتش است كه از هم حمايت كنيم و در همه ي شرايط حتي وسط تجمع ها و تظاهرات هم حجاب اجباري را كه نمادِ سركوب و تحقير انسان است دور بياندازيم." #چهارشنبه_های_سفید #چهارشنبه_های_بدون_اجبار #whitewednesdays #نه_به_حجاب_اجباری ‏⁧‫#تظاهرات_سراسرى‬⁩ ‏⁦‪#Iranprotests‬⁩

Uma publicação partilhada por Masih Alinejad (@masih.alinejad) a

Em 2016, numa entrevista ao Delas.pt, que pode recordar aqui, Masih Alinejad explicava como as mulheres iranianas vão resistindo às leis mais restritivas, mesmo quando corriam o risco de serem presas por desafiá-las com protestos pacíficos e simbólicos como o #WhiteWednesday.

Leia também:

Irão quebra promessa de ter mais mulheres no novo governo

Mulheres sauditas podem guiar motas e camiões