Linha SNS Grávida atendeu 150 chamadas por dia desde o arranque

pexels-amina-filkins-5424702
[Fotografia: Pexels/Amina Filkins]

A nova Linha SNS Grávida, que entrou em funcionamento a 1 de junho, sábado, no âmbito do plano de emergência da Saúde, atendeu 450 chamadas de grávidas nos primeiros três dias de funcionamento, anunciou a ministra da Saúde, Ana Paula Martins, nesta terça-feira, 4 de junho.

“Fiz muita questão de estar aqui por duas razões: primeiro para mostrar que o ‘powerpoint’ funciona, (…) mas também para mostrar que o SNS 24 é uma grande aposta para a entrada em situação de urgência dentro do Serviço Nacional de Saúde”, disse Ana Paula Martins, que falava aos jornalistas à margem de uma visita à Linha SNS Grávida, disponível desde sábado no mesmo número do SNS 24 (808 24 24 24) para encaminhar as utentes para a urgência mais próxima da sua área de residência.

Durante a vista, a ministra assistiu a uma simulação de uma chamada real de uma grávida, atendida por uma enfermeira que completou todo o processo de triagem e acabou a indicar qual a urgência de obstetrícia mais próxima onde a grávida se deveria dirigir.

Segundo a ministra, na linha SNS 24, em todo o país, trabalham cerca de 1.700 pessoas. No caso da Linha SNS Grávida, a governante explicou que os operadores seguem um algoritmo cientificamente validado pela Direção-Geral da Saúde que classifica a situação em que está a mulher grávida que liga para esta linha.

Questionada sobre as dificuldades de acesso a esta linha, considerou “natural que aconteçam nos primeiros dias” situações de constrangimento, sublinhando: “Temos de fazer escolhas e a prioridade para as nossas grávidas é algo que está mais do que definido no Plano de Emergência”.

“Essas dificuldades têm de ser agora ultrapassadas. (…) Não estamos aqui para esconder os momentos que correm menos bem, estamos aqui para os resolver”, acrescentou.

Sobre o Plano para o Verão, disse que esta linha é igualmente “uma aposta para iniciar uma nova forma de gerir o que é a urgência em obstetrícia”, chamando a atenção para a separação que está prevista das situações de obstetrícia das de ginecologia.

Quanto à rotatividade dos profissionais nas urgências de obstetrícia para garantir todas as escalas a ministra apontou os incentivos criados com o plano de emergência da saúde para atribuir à equipa quando é ultrapassada a média de partos e que estarão em vigor até final do ano.

Disse que a intenção é que estes incentivos “fixem a equipa onde ela habitualmente trabalha” e sublinhou a importância do trabalho em rede.

A ministra reconheceu a possibilidade de constrangimentos no verão na área da obstetrícia, mas recusou falar de encerramentos: “Eu não digo que há encerramentos porque verdadeiramente os hospitais não encerram. Eles têm lá dentro a equipa toda, têm anestesistas, têm médicos, têm as enfermeiras obstétricas, têm assistentes operacionais”.

Este novo canal de atendimento direto de grávidas pretende dar “resposta à procura de urgências de ginecologia/obstetrícia, enquanto área em que se sentem maiores dificuldades no Serviço Nacional de Saúde” (SNS).

A linha SNS Grávida é uma das medidas urgentes previstas no plano para a saúde que o Governo aprovou na quarta-feira, com o objetivo de organizar o circuito da grávida, em particular em situações de urgência, garantindo uma “resposta de qualidade e segurança”.

“Através desta linha de atendimento, as grávidas terão acesso a profissionais qualificados e capacitados que estarão disponíveis para oferecer orientação personalizada, tranquilizando as gestantes e proporcionando-lhes confiança durante todo o processo de prestação de informação e direcionamento para unidades de saúde com capacidade efetiva de assistência”, refere o plano.

LUSA