Subir

Mãe de Donald Trump: uma imigrante escocesa atrás do sonho americano

Mary Anne Trump morreu em 2000

Se há algo que Donald Trump tem abominado ao longo da sua campanha presidencial é o que diz ser o imigrante típico: pobre, pouco produtivo, sedento de encontrar o pote de ouro nos EUA. Surpresa das surpresas… a sua mãe encaixou, a dada altura, nessa mesma descrição. Há 86 anos, Mary Anne Trump deixou a Escócia e chegou a Nova Iorque com apenas 50 dólares (44 euros) no bolso. Ao contrário do que Trump contou até agora, a sua mãe não foi “de férias”, mas sim à procura de um trabalho como “empregada doméstica”, revelam agora documentos obtidos pelo jornal escocês ‘The National’.

Mas a mãe do multimilionário de 69 anos não abandonou o seu país aos 18 anos (em 1930) apenas para perseguir uma vida melhor. Fê-lo, também, para escapar a um escândalo familiar: a sua irmã, Catherine Reid, teve um filho fora do casamento.

Durante os primeiros quatro anos que passou nos EUA, Mary Anne desempenhou, de facto, funções de empregada doméstica, sendo que mais tarde veio a casar-se com Fred Trump, filho de imigrantes alemães. Subiram ao altar em 1936, perante 25 convidados, em Manhattan, mas a sua naturalização como norte-americana só chegou seis anos depois, revela ainda o ‘The National’.

Daí em diante, foi dona de casa, cozinheira, parceira de vida e, mais tarde, mãe de cinco filhos: Maryanne Barry, Elizabeth, Robert, Fred Jr. (que acabou por morrer aos 42 anos, devido ao consumo excessivo de álcool) e, claro, Donald (filho do meio).

Mary e Fred Trump tiveram cinco filhos

Mary e Fred Trump tiveram cinco filhos

A mãe do candidato republicano à Casa Branca acabou por morrer em 2000, aos 88 anos, um ano após o seu marido. Começou como imigrante, é certo, mas acabou por conquistar aquilo que sempre quis: o sonho americano.

Carolina Morais