MDM desfila contra a prostituição no 1º de maio

À semelhança do que aconteceu nas comemorações do 25 de abril, neste 1º de maio o MDM vai desfilar com uma faixa contra a prostituição. O desfile acontece em Lisboa entre o Martim Moniz e a Alameda D. Afonso Henriques e terá como protagonista a frase “Prostituição é violência contra as mulheres”.

Desta vez a faixa será mais pequena que a usada no 44º aniversário da revolução dos cravos, mas a mensagem será a mesma. A faixa é subscrita ainda por mais associações como a Ninho, Plataforma portuguesa para os direitos das mulheres, CIMH, AMVC, Coolabora, e outras.

As comemorações do Dia do Trabalhador em Lisboa começam de manhã, com a Corrida Internacional do 1.º de Maio, com partida e chegada no Estádio 1.º de Maio. Para a tarde está marcado o desfile entre o Martim Moniz e a Alameda D. Afonso Henriques, com intervenções sindicais.

No Porto, durante a tarde, haverá um desfile pelas ruas da baixa, que terminará na Avenida dos Aliados com um comício sindical.

Por sua vez, a UGT optou por comemorar o 1.º de Maio em Figueiró dos Vinhos, uma das localidades afetadas pelos incêndios de 2017, onde estará o secretário-geral da central sindical, Carlos Silva. As comemorações do Dia do Trabalhador da UGT começam com um desfile sindical do mercado municipal de Figueiró dos Vinhos ao jardim municipal, onde estão previstas as intervenções de Carlos Silva e da presidente da central sindical, Lucinda Dâmaso.

As comemorações deste ano do 1.º de Maio lembram os 132 anos dos acontecimentos de Chicago, que levaram à criação do Dia do Trabalhador. Naquela data foi realizada uma ação de luta pela redução da jornada de trabalho para as oito horas, que foi reprimida com violência pelas autoridades dos Estados Unidos, que causaram a morte a dezenas de trabalhadores e condenaram à forca quatro dirigentes sindicais.

Delas com Lusa

Imagem: MDM

Conciliação familiar é uma das maiores preocupações dos trabalhadores