‘Miss Universo’ abre portas a mães e ‘deixa cair’ estado civil. Mas as idades mantêm-se

epaselect ISRAEL MISS UNIVERSE PAGEANT
[Fotografia: Atef Safadi/EPA]

É considerada uma das maiores revoluções nas regras de seleção que têm ditado este concurso, ao longo de mais de sete décadas, mas só chega para o ano.

Em 2023, e para a 72ª edição do certame, a Miss Universo vai passar a aceitar mães e vai deixar de perguntar às mulheres se são ou não solteiras. Porém, apesar desta mudança, o intervalo etário exigido às candidatas mantém-se inalterado: dos 18 aos 28 anos.

Segundo avançou o site norte-americano The National, o memorando da organização está já a implementar a mudança. “Acreditamos que as mulheres devem ter controlo sobre suas vidas e que as decisões pessoais de um ser humano não devem ser uma barreira para o sucesso”, referirá o documento citado pela imprensa norte-americana.

A edição de 2022, a 71ª ainda não tem data nem local marcados, mas crê-se que tenha lugar até dezembro. A coroa está atualmente nas mãos da indiana e ativista pelos direitos das mulheres Harnaaz Sandhu.

Recorde-se que a Miss Universe Organization também é proprietária dos concursos Miss USA e Miss Teen USA, além do concurso global de Miss Universo. Já em 2016, a edição do concurso para adolescentes introduziu uma mudança que mereceu aplauso: o célebre desfile em fato de banho passou a ser substituído por roupa desportiva.

“Esta decisão reflete uma mudança cultural importante que estamos a celebrar e que se refere ao poder da mulher, que hoje tem uma vida ativa, preenchida e que encoraja aqueles que vivem à sua volta a fazer o mesmo”, justificou, na ocasião, Paula Shugart, presidente do concurso Miss Universo, que é também responsável pela organização do Miss Teen EUA, aberto a jovens entre os 14 e os 19 anos.

Mudanças que querem alterar o certame

E se a questão da maternidade tem vindo a ser debatida desde o século passado, mas sem alterações até ao momento, elas chegam agora a um certame que quer ser, segundo o diretor nacional do Miss Universo Bahrain, Josh Yugen, “a maior e mais inovadora plataforma do género e agora será mais inclusiva e acolhedora para mães e mulheres casadas”.

Recorde-se que, no ano passado, a estudante de moda Manar Nadeem Deyani, Miss Universo Bahrain, fez história ao escolher usar roupas desportivas a cobrir todo o corpo em vez de se apresentar de fato de banho e na ronda prevista para a ocasião, pondo em marcha o que tem sido feito na Miss Teen USA.

Na estreia do Butão no certame 2022, há também um outro passo a ser dado na Miss Universo: a candidata Tashi Choden, de 23 anos, é também a única figura pública abertamente homossexual no país. Até fevereiro de 2021, a homossexualidade era definida no Código Penal como “conduta sexual contrária às leis da natureza” e, portanto, ilegal no país budista. Agora, a coroação de Choden como Miss Butão 2022 ganhou importância neste país de quase 800.000 habitantes e sua comunidade LGBTQIA+. “Falo não apenas pela comunidade butanesa, mas também pela comunidade minoritária em uma plataforma como o concurso de Miss Universo”, afirmou em declarações à agência noticiosa AFP. “Eu posso ser a voz da comunidade”, completou.